Arquivos Diários: 15/11/2011

Texto de Ganância, romance (publicado no sitio do livro)

(…) membros da família aos valentes apertões das gargantas, a envenenar o pobre do cão, a meter-lhes na cama a cabeça de um cavalo ensanguentada enquanto dormiam, a enviar-lhes um peixe embrulhado num papel de jornal, mas seria possível a … Continuar a ler

| Publicar um comentário

Texto de Ganância, romance (publicado no sitio do livro)

E fiquei com uma ideia precisa dos vossos problemas. Penso que vocês são uma espécie única, penso quese não existissem tínhamos que os inventar. Na vossa história encontram-se facetas que os distinguem de todos os outros povos. Veja você, durante … Continuar a ler

| Publicar um comentário

Texto de Ganância, romance (publicado no sitio do livro)

– Temos uma razão que justifica isso. – Qual? – É que nos roubaram o ódio… – Não entendo… o ódio não se rouba, justifica-se, mas não se rouba, todos temos ódio por alguma coisa ou por alguém. Olhe, às … Continuar a ler

| Publicar um comentário

Texto de Ganância romance (publicado no sitio do livro)

Apanharam o eléctrico ali para os lados do caminho da Sé, na rua que esconde no subsolo os restos da Lisboa romana. Para trás a calçada que leva à António Maria Cardoso, de má memória, para a frente, reflexos de … Continuar a ler

| Publicar um comentário

Texto de “Ganância (Publicado no Sitio do Livro)

E Vito auto-criticava-se por, afinal de contas, ser tão tardia a sua descoberta dos meandros e dos esquemas que motivavam os comportamentos mentais das pessoas com quem (gostasse ou não), andava a conviver de há largos anos até à data … Continuar a ler

| Publicar um comentário

Solta as amarras da dor…

Vem, solta as amarras da dor cruza os ventos em flor teu mel meu sabor rosto fino porcelana tua cor no teu beijar que sorri amor José Guerra (2011)

| Publicar um comentário