O milagre de Eir ( de Danilo Pereira )

Quando o mar se agitou naquela manhã e as ondas que provinham dele trouxeram para as encostas do reino de Midgard uma bela jovem de orelhas pontiagudas, o nórdico se encantou com tamanha formosura. Seus olhos brilharam, pareciam nunca terem visto uma mulher antes, talvez nenhuma como aquela que era tão bela quanto uma Deusa.

A moça se encontrava num sono profundo, inconsciente, pálida como a neve e sua expressão era de dor e sofrimento. O que poderia tê-la trazido até ali? Wolfgang não ousou pensar, estava encantado, admirado, fascinado por aqueles lábios carnudos que por breves e longos momentos sentiu um desejo incontrolável de beijá-los. O aesir apesar de desejá-la, sabia que se tratava de uma elfa e não de uma mulher comum, em sua terra, os elfos eram descritos como seres perigosos, que usavam sua magia para enfeitiçar os guerreiros que se aventuravam nas florestas.

Tudo poderia ser verdade, não descartou, mas seu espírito aventureiro lhe dizia para ir mais longe, para se aventurar, vivenciar as maravilhas daquele mundo fantástico repleto de fantasia. Então ele a tocou no rosto, sentiu por entre seus dedos rudes a maciez daquela pele branca que pareceu reagir ao toque.

A elfa dava sinais de que iria despertar, o aesir, adimirado e receoso ao mesmo tempo, recuou e viu aqueles lindos olhos se abrirem como se fossem duas lindas pedras preciosas. O brilho daquele olhar lhe ofuscou os olhos, era intenso, vibrante, verde como uma folha de lorien. Aquela expressão triste não existia mais, a elfa se levantou num pulo e abriu um sorriso tão maravilhoso, que foi capaz de deixar Wolfgang paralisado, sem ação, completamente sem reação.

A alegria daquele ser era mesmo contagiante, seus longos cabelos de cor amarelada se esvoaçavam em demasia pelo ar como sereias pelo mar, sua sensualidade era tanta, que bastava um único movimento dos quadris para enlouquecer até o mais forte dos guerreiros, quem sabe até mesmo um Deus.

O nórdico ficou com medo, pensou que aquilo poderia ser bruxaria ou algo parecido e de todas as maneiras tentou desviar seu olhar, mas a elfa queria encantar, atiçar aquele gigante do norte que demonstrando sua fraqueza, fez com que a delicada moça se manifestasse.

– Por que não olha para mim, não gosta do que vê?

Sem titubear, respondeu:

– Nunca vi cabelos tão bonitos, quem é você mulher, como veio parar aqui?

A elfa parecia querer brincar, não disse sequer seu nome e disparou sem rumo em meio à aquele mundaréu de terra. Ela corria depressa, seus pés descalços percorriam aquele território como se fossem os de uma criança travessa, inocente, sem culpa. Então Wolfgang correu atrás dela, a seguiu até uma floresta onde a viu sumir por entre aquela mata. Naquele momento o aesir pensou estar delirando, de estar vendo coisas, de estar apaixonado por alguém que poderia não existir. Era uma tentação, assim pensou, uma miragem, uma maldição enviada por Hel que alegrava-se com a morte.

O nórdico tentou recuar, estava crente que aquilo tudo não passava de um encanto maligno mas seu coração e seu espirito aventureiro lhe diziam para se aventurar, para se aprofundar naquelas folhagens que pareciam querer lhe mostrar algo. Então ele penetrou naquele mato, desembainhou o aço e percorreu cada centimetro daquela terra como se fosse um predador faminto, não encontrou nem rastro da elfa, que misteriosamente desapareceu no meio daquele mundo florestal.

O desespero começou a tomar conta da situação, Wolfgang havia se perdido e se viu num labirinto grandioso ao fitar aquelas colossais árvores que se entrelaçavam em meio à aquele verde infinito. Não havia viva alma ali, concluiu o aesir, estava sozinho, abandonado e por um breve momento, pensou não haver saída e que tudo não havia passado de um maldito feitiço. Por outro lado, a elfa bem que podia ser real, tão real, que ao fechar os olhos, pode ouvir um canto doce que pareceu sair dos lábios daquela doce criatura.

Seria realidade ou fantasia? Ele não tinha certeza, tinha apenas a certeza de que aquela suave melodia continuava a ecoar por aquela floresta que subitamente revelou algo surpreendente. De algum lugar daquele matagal, uma pequena luz tênue de cor esverdeada serpenteou entre as árvores e pairou no ar ficando frente a frente com o nórdico que murmurou ao recuar.

– Sagrado seja Odin!Que diabos é isso!

A luz não cessou, foi de encontro ao guerreiro e revelou-se.

– Não tenha medo, sou uma simples fada e preciso de sua ajuda, depressa!

Sem perder tempo, Wolfgang a seguiu, penetrou numa parte escura da floresta e cruzou um enorme feixe de raízes que haviam se entrelaçado num corpo. Era a elfa que estava ali, desacordada, sufocada por aquelas plantas que pareciam ter vida. Então, o gigante dourado com toda sua força, agarrou aquele monte de raizes e as puxou com muita violencia, libertando a moça daquele sofrimento.

Wolfgang a pegou nos braços, a abraçou e não sentiu calor algum naquele corpo meigo que até então se encontrava gelado como as montanhas do norte. A fada, não conteve sua emoção e derramou um rio de lágrimas sobre aquele solo maldito que milagrosamente, se encheu de pontos brilhantes que deixaram aquela pequenina criatura eufórica.

– Veja! São folhas de Lorien, depressa guerreiro, vamos rezar por Aurehen!

Meio sem jeito, o aesir apanhou uma das folhas, olhou para o alto e pediu aos Deuses que não a levassem.

Então, do alto daqueles titânicos arvoredos desceu uma imagem, uma imagem encapuzada trajando uma canga e uma folha de Lorien na cintura. O nórdico olhou espantado, parecia estar vendo um fantasma e com toda sua devoção, emocionou-se ao pronunciar:

– Eir!

Era a Deusa da cura que havia deixado Asgard para salvar Aurehen da morte, a elfa havia se perdido de seu povo e nas terras de Midgard, ela não passava de uma mera mortal. A Deusa, tocou em seu coração e com uma luz divina, fez com que aqueles olhos brilhantes brilhassem mais uma vez por aquela imensidão esverdeada. A elfa havia acordado e Wolfgang, com ela ainda em seus braços, a beijou e sentiu o doce gosto daquele beijo que o fez perder o fôlego.

 

Personagens da obra, Wolfgang, o guerreiro nórdico.

Anúncios

Sobre danarts

Sou escritor e ilustrador, quero levar minha experiencia de escrever e desenhar para todos os amantes de artes e escrita.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Uma resposta a O milagre de Eir ( de Danilo Pereira )

  1. Josué diz:

    Bela história! Adorei! Quando comecei a ler não consegui parar mais!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s