Uma libelinha em desespero

      Por uma “escadinha de chuva”,quantas vezes sonhamos subir os degraus que distam da Terra ao Céu; sonhamos que este nos parece tão perto, e a nossa vontade  diz que é tão fácil lá subir? Uma espécie de sensibilização num sonho; como que a arranjarmos forças para vivermos a Liberdade e sacudirmos o corpo das recordações que nos perturbam e são objecto de angústia. Ah! Se isso fosse possível, se isso não fosse uma ilusão e tivéssemos ao nosso alcance uma tal possibilidade para a ocuparmos nos nossos desejos de purificação libertadora, tenderíamos, certamente, a subirmos até ao Céu para limparmos todos os sofrimentos, que não fizemos nem sabemos porque existem.

     De um tal sonho, sejamos ao menos espectadores, num tempo em que, obrigados pelo facto de chover, passemos a estar livres de todas as ocupações que nos restrinjam a liberdade e que não sejam senão a chuva ou outros obstáculos naturais, que sendo bens, nos limitem, e, em alguns casos, nos obriguem a estar obrigatoriamente “ocupados”, por não podermos sair à rua. É que não basta estar ocupado com o que produzimos e construímos, vestimos e comemos; é fundamental termos a noção destas realidades e do seu significado; não vá a ocupação nos ocupar a Vida,ou a nossa vida perder-se no egoísmo da ocupação.

     Vem a propósito um acontecimento que motivou esta análise sobre as ocupações; aliás, um acontecimento que esteve na origem da certeza que vivemos num mundo em que tudo quanto existe tem o seu significado e desperta em nós aspectos de relação e afinidade.

      Estava um dia muito quente e o motivo da minha viagem era tão agradável, quantas as combinações que me eram possíveis nesse tempo de transporte e estadia de visita. Não tinha muita pressa; dependia de um conjunto de circunstâncias que justificavam uma atenção preocupada pela descoberta de aspectos para a memória e motivos para o conhecimento.

    Não desejava combinar o tempo com excessos nem planeei o que não pudesse concretizar; apenas uma viagem, um encontro com locais e pessoas e uma visita para resolver um assunto que há bastante tempo me preocupava. Aliás, sentei-me por diversas vezes em locais que descobri e me atraíram facilmente. De um modo geral, mais pela satisfação que encontrava em cada momento que vivia do que pela preocupação de descobrir outros motivos que despertassem a análise ou a vontade da descoberta e procura; julgo que a satisfação de uma viagem reside mais na mudança e na surpresa do que nos motivos que se planeiam.

     E, aconteceria assim, se o facto que aconteceu não despertasse em mim um sentimento raro e uma vontade de exaltação; um sentimento que me fez meditar no Mundo com outras preocupações e um sentido diferente; mesmo em relação à compreensão deste fenómeno e sua consequente analogia!

      Num lago atractivo e muito refrescante, onde os movimentos leves e brandos da água que o Sol tangia davam lugar a imagens raiadas de luz brilhante e pura, deparei com uma pequenina borboleta que aos poucos morria por afogamento.

     Tinha ficado presa numa pequena massa viscosa que boiava no lago e lhe servia de base de sustentação no ondular da água, que ainda que fosse brando e suave aos olhos de quem o contemplava, era suficientemente causador dos perigos que corria aquele pequenino insecto..  Era do tamanho de um pequeno botão e a massa viscosa agarrava-a e prendi-a de tal forma que as asas não se moviam e os sinais de vida eram já muito ténues; aliás, não fora a minha ocupação ser mais de observador que de passeante do Mundo, e esta borboleta não se teria salvo nem eu teria percebido o que poderemos fazer através das nossas ocupações!

     De imediato e com muita cautela, separei este pequeno corpo da matéria que a segurava; libertei-a da água e suspendi-a no tronco de uma árvore que estava próxima, para que fosse capaz de voar de novo para os limites da Vida, e da vida que lhe era natural e sua. Fiquei ainda algum tempo a contemplá-la e, ao vê-la debater-se com as dificuldades da libertação, pedi por instantes a Deus que a ajudasse a encontrar o caminho e lhe desse forças para voar de novo na busca do alimento, que a fome deveria ser muita e a debilidade já não a ajudava.

    A partir desse momento fiquei a congeminar comigo sobre a comparação da Ordem natural com outras ordens, nomeadamente a social e na qual está presente a necessidade de organização geral. Neste incidente, pude aperceber-me que até nas ordens mais regulares e nos ritmos de transformação, ocorrem factos que excedem os limites da nossa compreensão.

    E ao descobrir que tudo é governado com absoluta perfeição e que tudo ocorre, segundo a vontade do Criador; como compreender, que até os seres mais dependentes, que são naturalmente inclinados na protecção e segurança, caiam nos desvios incidentes humanamente provocados ou naturalmente ocorridos?

    Meditei, que existe um pensamento especial no poder dos pensamentos proverbiais, e que eles são as primeiras explicações e as mais consoladoras na nossa desolação perante factos tão inexplicáveis, como aquele que acabava de assistir; lembrei-me do que me haviam ensinado em aspectos doutrinais: “Deus protege uns e manda proteger os outros”

Macedo Teixeira

Anúncios
| Publicar um comentário

Nos caminhos do ser Humano (III)

Prezados amig@s!

É com enorme satisfação e para ser mais fácil na reflexão, que publico o 3º texto (conclusão) da totalidade do resumo da tese: “Nos Caminhos do Ser Humano”, apresentada na Universidade Aberta-Lisboa-Setembro de 2016

Se a pretenderem conhecer no seu todo e também todas as outras teses que foram apresentadas e publicadas posteriormente, poderão consultar o livro de memórias: “Paz E Ciudadanía global”, Primera Edición, septiembre de 2016- Editorial REDIPE (Rede Ibero-Americana) (95857440) Coedición:Universidad de Valladolid ou a Universidade Aberta (Lisboa)

Com amizade,

Macedo Teixeira
Vila Nova de Gaia
Portugal
Setembro 2016

Palavras-chave:

— Leis da Genética
— Economia Global
— Razão
— Pedagogia
— Origens

Em tudo isto, fui concluindo no exercício da docência da importância da palavra “educar”, uma palavra que provém do latim educere, que significa “conduzir para fora de”, o que, se bem interpretado, deverá levar a que a ação educativa seja para conduzir o educando a partir daquilo que ele em si mesmo já é; a criança é um ser em potência a revelar na ação das suas características, logo, não será suficiente perceber a relação funcional das coisas desligada dum sujeito educando, isto é, que se distende através delas, pelas suas possibilidades naturais, na revelação das competências que não se situam em nenhum quadro institucional.

Foi assim que compreendi também que, no preâmbulo dos meus pensamentos, sempre prevaleceram as minhas origens. 4
Direi que fui relacionando ao longo da minha docência a disciplina da Didática com a Pedagogia.

Percebendo melhor entre as lições diárias que era nesta subjetividade educativa que o conhecimento se descobriria melhor nas nossas possibilidades e que estas aumentariam com o que fôssemos vendo e nos fosse sendo mostrado, 9 ainda que por fora; pois só o saber sobre o todo nos tornará possível alcançar a realidade. 5

Daqui se poderá inferir que o saber sobre o todo deverá ser um saber que tenha em conta os elementos naturais em conjugação com os elementos sociais e vice-versa, será necessário passarmos à ação prática, integrando e realizando os atos educativos para que sejam entendidos socialmente por todos e pelos educandos especialmente como atos vitais, e não apenas como manifestações datadas e assumidas
culturalmente.

Em toda a minha vida de docente realizei diversos acontecimentos comemorativos: o Dia da Árvore, o Dia dos Direitos Humanos, o Dia da Criança.

Passada a data da comemoração, tudo se esfumava na vulgaridade, e os fogos ou a desertificação eram facilmente desculpados como um problema da ignorância, um problema dos interesses financeiros, um problema de desleixo do Estado.

Só poderemos entender que somos um ser cívico, um ser de direitos, se exercermos na prática uma pedagogia de raiz; plantar uma árvore não pode ser entendido como um gesto cultural; tem de ser entendido como uma atividade vital, como uma atividade que deverá salvar o Planeta da destruição e salvar a vida humana da tragédia pela falta de recursos, uma vez que já estaremos a viver a crédito, segundo a declaração da Global Footprint Network num comunicado conjunto com a World Wildlife Fund (WWF): http://24.sapo.pt/…/sapo24-blogs-sapo-pt_2016_08_04_1981753…

“Para satisfazer as nossas necessidades, atualmente precisamos do equivalente a 1,6 planetas” por ano, disseram ambas as organizações.10 “O custo desse consumo excessivo já é visível: escassez de água, desertificação, erosão do solo, queda da produtividade agrícola e das reservas de peixes, desflorestação, desaparecimento de espécies.”

“Viver a crédito só pode ser provisório, porque a natureza não é uma jazida, da qual podemos extrair recursos indefinidamente.” 6

E se este é um problema vital, outros há que necessitam de ser encarados do mesmo modo; como poderemos aprender a perdoar, ou até mesmo a julgar, se a pedagogia não for com base num Amor Comum e que tenha em conta o conhecimento global da matriz do educando? Um ser dificilmente compreenderá que é vital para a Paz a tolerância da diferença e o respeito pelo outro se não aprender desde pequenino, nos valores da civilidade a ser verdadeiro, honrado e respeitador dos seus semelhantes, se não aprender a conjugar cedo a Declaração Universal dos Direitos do Homem, da Criança e dos Povos.

E perante a instabilidade da Ordem do Mundo, comecei a acreditar que seria bom, como forma possível, para equação de algumas das dificuldades na vivência contemporânea, reconhecer-se a necessidade da emergência do pensamento concreto o qual superasse a própria abstração e que integrasse a realidade elevando-a na dialética da superação.

Aliás, a propósito, cito:

“….. Para Hegel aquilo que é parcial, delimitado, separado é justamente o que é ‘abstrato’ (abstractus, em latim, significa literalmente ‘extraído’, ‘posto de parte’). O ‘concreto’ exige, pelo contrário, um pensamento que seja capaz de ter em conta o conjunto de todos os aspetos, mesmo aqueles que se opõem e se excluem. Este pensamento deve também ser capaz de nos dar conta da passagem de um elemento ao seu oposto.” 7

Por último, sabendo que vivemos cada vez mais entre as limitações dos ideais de Justiça, de Família, de Bem, de Verdade, de Amor, será de acreditar 11 que só por meio de uma interação contextualizada em ambiente de integração geral 8 e certamente global de todos os elementos naturais e sociais, conseguiremos impelir-nos para o que será possível e desejável conceber numa pedagogia mais experimental que doutrinária nos aspetos que considerei como mais relevantes no “Caminho do Ser humano” e que agora procurarei traduzir na seguinte proposta:

Tomando em consideração os objetivos do I Simpósio Internacional de Educação e Pedagogia “Paz e Cidadania Global”, na década internacional consagrada pela ONU (2013-2022) à aproximação das culturas, proponho que sejam consideradas nas linhas orientadoras do Simpósio e no Objetivo número 1, Educação para a paz e cidadania, as seguintes questões:

  1. a) Educação e Pedagogia por Comparação (a Natureza, o sentido das leis e dos elementos naturais);
  2. b) Educação ética para uma cidadania global estruturada (elaboração de normas e códigos de conduta social; as leis imperativas devem constituir-se como o último recurso);
  3. c) As Origens Sociais (endogenia cultural, multiculturalismo e as migrações);
  4. d) Relações familiares (educar para o valor da Família; os vários tipos de famílias);
  5. e) Compreensão do sentido do Amor e do Perdão com vista ao valor da Tolerância (Declaração Universal dos Direitos do Homem);
  6. f) O fenómeno da religiosidade (Conhecimento e encontro das religiões e Valorização do Sentido Ecuménico);
  7. g) Estudo sistematizado do ambiente e dos recursos naturais (a situação atual da Terra [“Vivemos a Crédito”]).12

1 BORGES GUEDES, J.M., Homem: Monstro e Semideus, Gráfica Firmeza, Porto, 1987, pp. 13, 14 e 15.
2 CLEMENTE, Manuel, Patriarca de Lisboa, Texto da homenagem feita pela Santa Casa da Misericórdia do Porto e referido na homilia Solenidade da Santíssima Trindade em 2011, sobre o problema do individualismo.
3 MORAIS E CASTRO, Armando Fernandes, O Pensamento Económico Português, “As bases da Teoria económico-social do Portugal Medievo”, exemplos de leis económico-sociais.
4 MACEDO TEIXEIRA, O Sentido do Escritor no Caminho da Globalização. Georges Seféris, um escritor de consciência europeia, cujo pensamento esteve em exposição na biblioteca de Vila Nova de Gaia em 1998 e que dizia o seguinte: “Ninguém se fecha sobre si mesmo com medo de perder a sua originalidade, porque esta constitui a sua força e acredita nela.”
5 GARCÍA HOZ, Victor, Princípios de Pedagogia Sistemática, Coleções Ponte, Livraria Civilização Editora.
http://24.sapo.pt/…/sapo24-blogs-sapo-pt_2016_08_04_1981753…
7 HEGEL, Introdução à História da Filosofia e Sistema da Vida Ética, Edição Prisa Innova S.L., Madrid, Espanha, 2008; tradução de Artur Morão e Edições 70, L.da. Prefácio de Roger-Pol Droit, Página XVI.
8 MACEDO TEIXEIRA, Quando As Estrelas Acordam, Sítio do Livro, Lisboa, 2014.
Bibliografia

| Publicar um comentário

Nos caminhos do ser Humano (II)

Prezados amig@s!

Para ser mais fácil na reflexão, publico o 2º de 3 textos sobre a totalidade do resumo da tese: “Nos Caminhos do Ser Humano”, apresentada na Universidade Aberta-Lisboa-Setembro de 2016

Se a pretenderem conhecer no seu todo e também todas as outras teses que foram apresentadas e publicadas posteriormente, poderão consultar o livro de memórias: “Paz E Ciudadanía global”, Primera Edición, septiembre de 2016- Editorial REDIPE (Rede Ibero-Americana) (95857440) Coedición:Universidad de Valladolid ou a Universidade Aberta (Lisboa)

Com amizade,

Macedo Teixeira

Nos caminhos do ser Humano (II)

Macedo Teixeira
Vila Nova de Gaia
Portugal
Setembro 2016

Palavras-chave:

— Leis da Genética
— Economia Global
— Razão
— Pedagogia
— Origens

“A tirania do ser é simples: qualquer ser, para viver, tem de comer outro.
“É a crueldade da Natureza.
“Os animais da mesma espécie inibem-se de se comerem entre si e comem outras espécies. Mas esta inibição não a tem o Homem porque, apesar de mais inteligente, é mais monstruoso, mais cruel. (Ibidem, p. 14.)
“Um povo resolve comer outro – invade, mata, destrói, viola, rouba –, exerce toda a espécie de violência e crueldade.

“Sim, a violência é a tirania do ser, impera na natureza; nada mais fácil de ver, nada mais objetivo.
“Porém, o que esses monstros, que fizeram uma história vergonhosa de tirania, ….. não verão ….. é que há outra força contra a tirania do ser: a Afetividade criadora duma agregação humana, duma Sociedade à procura duma Humanização, como nas religiões à procura do Céu. …..

“Os Homens estão em divisão: uns na tirania e outros na agregação. …..
E o que é grave é que “As nações a manterem a agressividade, a violência, a crueldade estão contra os princípios naturais da agregação existentes na natureza.” (Ibidem, p. 15.) 6

Assim, perplexo com esta contrariedade humana, entendo ser relevante para a experiência dizer a propósito que, embora tivesse vivido confrontado com estas circunstâncias na memória, quiçá no meu ADN, e tivesse sido grande o meu sofrimento social no percurso da minha vida, as minhas opções recaíram com maior predominância no esforço de a minha ação ética ser orientada pelo princípio da afetividade, ainda que lutando contra as dificuldades psicológicas para ser constante, mas hoje reconheço com felicidade que valeu a pena, tornara-me com esta atitude num ser humano, afetivo e mais sociável.

Reconheço, que na caminhada da minha existência, prevaleceram na base da estruturação da minha consciência e do meu sentido de responsabilidade os primeiros ensinamentos que me foram dados durante os tempos da minha infância e da minha adolescência.

Começara deste modo a adquirir conhecimentos fundamentais para vir a compreender qual o valor que tem a vida humana para quem aprende cedo que a nossa existência, para ter significado, deverá ser vivida em relação com os outros. Aprendia, afinal, entre experiências e jogos realizados nesta altura, o que mais tarde viria a perceber sobre o significado: “vamos aprendendo de Cristo, e que se ‘Amamos, logo existimos’ ”. 2

Entretanto, à medida que fora crescendo na inteligência e adquirindo mais conhecimentos e com eles o conhecimento filosófico-científico, fora descobrindo que o nosso pensamento tende a ser travejado pelas faculdades da Razão e dos Sentidos. Dos sentidos, através de todas as sensações que vamos formando da realidade e gravando as imagens na memória para que, sempre que necessário, possamos evocar lembrando. Da razão, pelo entendimento que vamos tendo para a delimitação do ser através das nossas formas conceptuais, para as podermos configurar em entes ideais. 7

Assim fora reconhecendo também, ao aprender de Descartes, que somos uma natureza pensante, que somos aquele que estará na prova da certeza, que somos nós que pensamos certo ou errado, ou ainda na certeza de que se “penso, então existo”. E que a nossa intranquilidade é fruto da nossa fragilidade no ser e nos conhecimentos e das nossas limitações no tempo do infinito.

Mais consciente da realidade do Mundo, começara a atuar na compreensão do conhecimento apreendido em referência ao Pensamento Económico Português – do qual fui inferindo, com base em algumas leis económicas” 3. De que haverá indubitavelmente uma evolução histórica nas relações económicas e sociais, evolução pela qual os povos irão diminuindo na sua tensão social à medida que forem evoluindo também nas suas mentalidades.

Vivemos num mundo global, precisamos de um pensamento global, de uma economia global; porventura uma economia com diferenças na diversidade de origem, mas que seja comum na particularidade da dignidade humana; nenhuma criança descobrirá o Amor e a Paz num Mundo Global se não crescer sob a égide do direito universal do acesso à dignidade da Liberdade, Proteção, Educação, Trabalho e voluntariamente puder caminhar ao encontro de Deus.

Meditei na Criação, no que é criado e nas partes que o constituem, sobretudo na origem visível do processo da Criatura humana.

Neste sentido, tudo me tem levado a crer, ressalvando as exceções à regra, que, qualquer que seja a criatura humana, haverá uma das partes que, no processo da Criação e durante toda a existência, estará numa densidade mais profunda que a outra. Cada um de nós será uma realidade dinâmica mutável que, no Processo de Criação e Educação Permanentes, assume instantes variáveis, quiçá conforme as circunstâncias em que se encontre, a um tempo e em cada singularidade. 8

E porque esta realidade me parece ser decorrente de uma lei da natureza, julgo que daí não se poderá tirar vantagem sobre quem mais possa em cada circunstância.
O conhecimento e o desenvolvimento do sistema genético e a melhoria dos seus elementos no jogo relacional com a Natureza e com o Grupo deverão proporcionar-nos no futuro outras capacidades para percebermos melhor esta complexa densidade natural nos seres humanos. Contudo, será necessário começar a preparar o caminho para o fortalecimento da relação entre os seres, procedendo-se na orientação do ser humano pela Didática e pela Pedagogia ao “descarnar” de elementos negativos que sejam constitutivos, sobretudo aqueles que permanecem na maior parte das vezes quase impercetíveis na personalidade de uma criança, muitas vezes oriundos das origens, credos, educação, culturas, famílias.

 

1 BORGES GUEDES, J.M., Homem: Monstro e Semideus, Gráfica Firmeza, Porto, 1987, pp. 13, 14 e 15.
2 CLEMENTE, Manuel, Patriarca de Lisboa, Texto da homenagem feita pela Santa Casa da Misericórdia do Porto e referido na homilia Solenidade da Santíssima Trindade em 2011, sobre o problema do individualismo.
3 MORAIS E CASTRO, Armando Fernandes, O Pensamento Económico Português, “As bases da Teoria económico-social do Portugal Medievo”, exemplos de leis económico-sociais.
4 MACEDO TEIXEIRA, O Sentido do Escritor no Caminho da Globalização. Georges Seféris, um escritor de consciência europeia, cujo pensamento esteve em exposição na biblioteca de Vila Nova de Gaia em 1998 e que dizia o seguinte: “Ninguém se fecha sobre si mesmo com medo de perder a sua originalidade, porque esta constitui a sua força e acredita nela.”
5 GARCÍA HOZ, Victor, Princípios de Pedagogia Sistemática, Coleções Ponte, Livraria Civilização Editora.
http://24.sapo.pt/…/sapo24-blogs-sapo-pt_2016_08_04_1981753…
7 HEGEL, Introdução à História da Filosofia e Sistema da Vida Ética, Edição Prisa Innova S.L., Madrid, Espanha, 2008; tradução de Artur Morão e Edições 70, L.da. Prefácio de Roger-Pol Droit, Página XVI.
8 MACEDO TEIXEIRA, Quando As Estrelas Acordam, Sítio do Livro, Lisboa, 2014.
Bibliografia

| Publicar um comentário

Convite

Apesar de não se tratar de escrita, o António Arriaga sugeriu-me, muito simpaticamente, que aqui publicasse o convite para a minha mais recente actividade.
Convite tiras

A exposição não tem a ver com escrita, mas também escrevo, publiquei um livro com o Sítio do Livro, Felicidade não é para quem pode, é para quem quer e mantenho um blogue, a Sopa de Ideias, há muitos anos (hoje em dia um bocadinho abandonado, dado que o tempo não dá para tudo…), onde escrevi sobre esta vocação que descobri já passado o meio século. Lá poderão também encontrar links para o meu trabalho, caso sintam curiosidade. Espero que gostem… 🙂

Cristina Rodo

 

| Publicar um comentário

“Nos Caminhos do Ser Humano”

Prezados amig@s!

Para ser mais fácil na reflexão, publicarei em três textos a totalidade do resumo da tese: “Nos Caminhos do Ser Humano”, apresentada na Universidade Aberta-Lisboa-Setembro de 2016

Se a pretenderem conhecer no seu todo e também as outras teses que  foram apresentadas e publicadas posteriormente, poderão consultar o livro de memórias: “Paz E Ciudadanía global”, Primera Edición, septiembre de 2016- Editorial REDIPE (Rede Ibero-Americana) (95857440) Coedición:Universidad de Valladolid ou a
Universidade Aberta (Lisboa)

Com amizade,

Nos caminhos do ser Humano (I)

Macedo Teixeira
Vila Nova de Gaia
Portugal
Setembro 2016

Palavras-chave:

— Leis da Genética
— Economia Global
— Razão
— Pedagogia
— Origens

“A tolerância é muito mais do que aceitar passivamente o ‘outro’. É algo que implica a obrigação de agir e que deve ser ensinada, cultivada e defendida.”
Ban Ki-moon 2

Minhas Senhoras e Meus Senhores,

Ao tomar como tema da minha conferência “Nos Caminhos do Ser Humano”, e ao apresentar-me hoje aqui na Universidade Aberta, permiti que, à maneira de prólogo, expresse a minha satisfação por poder discorrer sobre a minha existência e ser matriz na tese que irei desenvolver.

Tomando em consideração os objetivos do I Simpósio Internacional de Educação e Pedagogia “Paz e Cidadania Global”, sinto-os como uma oportunidade de poder falar dos paradigmas da nossa existência, já que têm sido os modelos de ordem social, e no caso os da Educação, que me têm preocupado mais.

Dizer com elevada confiança que esta caminhada de reflexão, fora estruturada numa argumentação descomprometida, impessoal e baseada em princípios e leis, tornando-se certamente mais objetiva na argumentação e mais fácil na compreensão do que se propõe.

Pretendo que a abordagem se torne numa dimensão fecunda pelo induzir à possibilidade de ser partilhada por todos e poder assim ser alargada nos seus limites de compreensão.

Desde a fase de criança que passei pelas mais diversas experiências na educação; experiências com acontecimentos diversos, sendo uns dramáticos, outros cómicos e outros trágicos, uns melhores e outros piores, mas todos contribuindo para a descoberta do sentido ético da minha conduta na orientação profissional e na minha vivência social.

Assim, com a finalidade de ser um juízo a propor para a reflexão em geral, comunico para o efeito de discorrer sobre o assunto, que na minha caminhada de experiências diversas confrontara-me sempre com dois princípios éticos antagónicos e sempre demasiado constantes na determinação e influência na vivência e educação do meu ser. 3

Dois princípios que se têm mantido tão constantes nas várias situações da minha vida, que tudo me tem levado a crer que, ao longo da nossa existência, para que o sentido ético da nossa orientação seja inclinado para a predominância ética superior no nosso comportamento, para que se mantenha a predominância do comportamento ético no que ele tem de mais humano, justo e fraterno; tal inclinação irá depender sempre da nossa atenção sobre o que fizermos, pensarmos e dissermos, para podermos ajuizar bem e procedermos com humanidade.

Dois princípios que, sendo antagónicos, se oporão de imediato no nosso comportamento, se oporão a partir da raiz gerando com isso uma certa tensão na determinação da prioridade da nossa conduta social.

Dois princípios que condicionarão, penso até que naturalmente, a nossa sensibilidade a demarcar-se na ação ética dominante, quer quando praticada com um sentido mais humano por oposição a um sentido tirano ou com maior configuração de propósitos quando praticada num sentido tirano por oposição a um sentido humano.

Assim, proponho que desde a mais tenra idade, nos processos educativo e de socialização, se preste uma particular atenção à influência destas duas leis na vida dos seres humanos, se preste uma particular atenção na educação do ser humano para que se perceba que aspetos deverão ser mais orientados na personalidade de cada criança para que, quando adulta, se torne num ser social, instruído e humanamente bom, Um Cidadão para a Paz e Cidadania Global.

Proponho uma particular atenção na educação desde criança, dada a natureza destas Leis e a lógica que as caracteriza, sobretudo pelo poder que uma delas exerce na afirmação da nossa animalidade, de sentido contrário à racionalidade e ao amor. 4

Nos casos da minha existência, estas emoções foram surgindo na minha vida numa forma tão originária, subtil e sempre com tal indistinção formal que bem se poderá dizer que estas forças nas minhas paixões tangeram tão naturalmente a minha vida e surgiram numa tal semelhança que me pareceram na aparência serem sempre de sentido transversal

E tão grande se tornava a sua aparência, que em certos casos, ambas pareciam indistintamente terem a mesma natureza; não se notava diferença entre o bem e o mal, parecia até que ambas lutavam para fazer emergir conflitos na sua razão e no seu valor ético de origem.

Neste sentido, para poder explicar melhor o percurso realizado durante a minha caminhada e a difícil opção ética que fora partilhando na minha conduta, tentarei num modo de abordagem por comparação, sobre a organização e educação da sociedade, que ao que parece será estruturada a partir destas duas das leis fundamentais da Natureza, de cuja falta de atenção ainda se mantém decorrente sobre os efeitos negativos gerados até hoje na sociedade, proponho à consideração da ciência da educação, que nos manuais escolares, se registem e se considerem estas duas leis, como um elemento pedagógico de grande importância para a Compreensão e Orientação da Personalidade Humana.

Procurarei na minha explicação explicitar estas duas leis e mostrar a influência que têm tido na nossa conduta, ou seja: que, em contexto da ação humana, elas serão sempre emergentes e dominantes, quer seja a Primeira Lei Natural – a lei da agregação do ser –, quer seja a Segunda Lei Natural – a lei da tirania do ser 1.

Sem preconceitos de materialismos ou espiritualismos, observemos o ser na sua gigantesca e misteriosa vida para irmos tirando algumas ilações: ficamos perplexos diante dum ser quase divino, isto é, um ser altamente dotado de valores humanos, científicos, artísticos, técnicos – o criador transcendente –; por outro lado, vemos o monstro, o cruel, o sádico, o desumano, que justifica a paranoia num pensamento lógico de premissas falsas. (Ibidem, p. 13.)

“Estudemo-nos, dentro de nós, numa introspeção, e encontramos uma vontade de nobreza a par de uma vontade de tirania, criadora de agressividade sádica, de crueldade feroz.”

“Tem de se curar a humanidade para curar o Homem ou curar o Homem para que este crie outra humanidade, outra sociedade – em que o Homem (um ser condenado à morte) não viva em constante terror.” (Ibidem, p. 14.)

1 BORGES GUEDES, J.M., Homem: Monstro e Semideus, Gráfica Firmeza, Porto, 1987, pp. 13, 14 e 15.
2 CLEMENTE, Manuel, Patriarca de Lisboa, Texto da homenagem feita pela Santa Casa da Misericórdia do Porto e referido na homilia Solenidade da Santíssima Trindade em 2011, sobre o problema do individualismo.
3 MORAIS E CASTRO, Armando Fernandes, O Pensamento Económico Português, “As bases da Teoria económico-social do Portugal Medievo”, exemplos de leis económico-sociais.
4 MACEDO TEIXEIRA, O Sentido do Escritor no Caminho da Globalização. Georges Seféris, um escritor de consciência europeia, cujo pensamento esteve em exposição na biblioteca de Vila Nova de Gaia em 1998 e que dizia o seguinte: “Ninguém se fecha sobre si mesmo com medo de perder a sua originalidade, porque esta constitui a sua força e acredita nela.”
5 GARCÍA HOZ, Victor, Princípios de Pedagogia Sistemática, Coleções Ponte, Livraria Civilização Editora.

| Publicar um comentário

VOLTAIRE – Tratado sobre a Tolerância

VOLTAIRE

VOLTAIRE

(Paris, França, 1694 – 1778)

Escritor, filósofo

***

Tratado sobre a Tolerância

Os acontecimentos que levaram Voltaire a escrever o seu Tratado sobre a Tolerância poderiam ter passado quase despercebidos. Tratava-se de um abuso judicial de uma extrema crueldade, mas nada de muito estranho aos hábitos da monarquia absoluta do Século das Luzes. Há um jovem huguenote que se suicida e uma multidão que se dispõe a linchar o pai, que acusa de ter assassinado o filho porque este se tornara católico. Não há provas nem indícios nesse sentido. Pelo contrário, Jean Calas é considerado um bom pai e tolerante em relação à orientação religiosa do filho.

Mas o poder judicial cede ao fanatismo popular e Jean Calas é executado. O génio de Voltaire consegue extrair do episódio ilações cuja validade permanece até aos nossos dias.

 

in “Relógio de Água”

 

| 1 Comentário

Um poema de nossa autoria: «Hoje…»

Porque prosseguimos, posto que não já com a assiduidade de outros tempos, a nossa actividade poética, aqui consignamos, neste Dia Internacional da Mulher, a primeira composição que elaborámos para uma destinatária muito especial, a qual tem absoluto jus a um lugar de particular destaque na nossa alma e no nosso sentir e é indubitavelmente merecedora desta pequena homenagem que, assim, lhe rendemos.

 

HOJE…

 

Hoje

Foi o dia

Em que a eternidade,

Com seu manto diáfano de fina alvura,

Enlaçou nossos corações.

 

 

Hoje

Foi o dia

Em que as estrelas,

Descendo calidamente das cumeadas celestes,

Me fizeram presente da luz dos teus olhos!

 

 

Hoje

Foi o dia

Em que o sol, astro augusto,

Abençoou com seu rútilo fulgor

A união das nossas almas!

 

 

E assim, meu amor,

Sendo ambos um só,

Unidos pela graça da vida

Que vive e refulge bem dentro de ti,

E de tua alma terna e cândida irradia sobre mim

O mais belo carinho,

Digo, perante Deus, perante o mundo:

AMO-TE!

Et nunc et semper.

 

Diogo Figueiredo P. D. Ferreira

 

 

| Publicar um comentário