“JUNTOS PARA SEMPRE” – 6º Excerto do Romance

                                          ( 6º Excerto )

          Seis meses após o internamento de Maria, a enfermeira Celeste comunica-lhe:

         – Vou dar-te uma boa notícia. O Doutor Alberto Carlos disse-me: “diga lá à miúda que lhe vou dar alta durante a próxima semana.”

          Maria começa a preparar novo plano para sair do Hospital sem dar conhecimento a ninguém. Considera ser uma ingrata por não agradecer tudo o que fizeram por ela, mas espera mais tarde ter oportunidade para se justificar.          

          Durante a noite que antecede a saída do Hospital, Maria não consegue dormir. Olha para o relógio da enfermaria minuto a minuto. São sete horas. Levanta-se e veste-se silenciosamente. Sai da enfermaria, percorre o corredor até à escadaria pela qual desce até à porta. Olha em redor. Não vê ninguém. Nervosa, roda a maçaneta, mas não abre. Está trancada. É cedo de mais. Volta para trás e recosta-se na cama que ocupara durante meio ano. Espera ansiosa que a porta seja aberta. Com o cansaço de uma noite em claro, adormece. É acordada por uma freira que entretanto entrara para a levar para o Orfanato. Por momentos pensa viver um pesadelo. Um fogo intenso percorre-lhe o corpo, como se fosse uma bomba pronta a explodir. Senta-se, chorando com as mãos a tapar-lhe a cara. A freira farta-se de esperar e ordena-lhe que se levante e a siga, porque não tem tempo a perder. As companheiras da enfermaria acenam-lhe, desejando-lhe felicidades. Maria está furiosa consigo mesma. Cometeu o erro fatal de não ter dormido durante a noite.

          – Desta vez a culpada sou eu. E agora vou continuar para aqui nesta vida estúpida que nunca mais sai da cepa torta. Que raio de sorte a minha! Estou farta disto! Até já perdi a confiança em mim.

                                                                                        *****

          Para Maria, a sua reentrada no Orfanato foi uma surpresa. As freiras receberam-na com fleumática cordialidade, talvez reconhecendo que foram responsáveis pela doença originada pelas condições sub-humanas em que tinha vivido durante um mês. Permitiram que as raparigas rodeassem Maria, fazendo-lhe perguntas sobre o que lhe tinha acontecido para estar tanto tempo fora. Nem queria acreditar no que estava acontecer. Foi respondendo à curiosidade das colegas. Este inesperado acolhimento fê-la sentir ressarcida pelos momentos dramáticos que tinha vivido naquela Casa. Trinta minutos depois uma freira avisou-as que acabou o recreio.

          Ao fundo da camarata uma rapariga sentada na cama chora, tapando a cara com as mãos trémulas do frio ácido vertido das suas entranhas, provocado pelos remorsos do seu traiçoeiro comportamento. Laurinda tem a certeza que Maria nunca a perdoará.

José Eduardo Taveira

Este livro está à venda na Livraria Barata, Av. de Roma, 11 em Lisboa ou através do site:

                                                                                                                          www.sitiodolivro.pt

 

 

 

 

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s