“JUNTOS PARA SEMPRE” – (5)

Maria está cada vez mais triste. Pergunta-se como conseguirá ânimo para continuar a resistir àquela clausura. Na sua cabeça passam ideias, que ela tenta repelir para não cometer erros que lhe provoquem problemas com as freiras.

O transformar-se em mulher, alertou-a para não sabe bem o quê. Talvez para reflectir, olhar para si mesma, possuidora de uma consciência precocemente amadurecida.

Maria não fala habitualmente com ninguém, excepto com a Laurinda, quatro anos mais velha. Dormem em camas próximas e tomam as refeições sentadas em frente uma da outra. Não será talvez uma grande amizade, mas há empatia entre ambas. Maria não esquece a sua ajuda naquela circunstância complicada e ser-lhe-á eternamente grata por isso.

A relação com as outras raparigas é difícil, porque mostram entre si uma desconfiança e inveja incompreensíveis, talvez devido à atmosfera de hostilidade provocada pelas freiras.

Inveja de quem e de quê? Todas têm as mesmas origens e não possuem nada de seu. Ou será por isso mesmo?

(Continua)

José Eduardo Taveira

 

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.