“FÁTIMA, TERRA DE MILHÕES”

Janeiro 2004: Adjudicação da 1ª empreitada da Igreja da Santíssima Trindade.

Discurso do Reitor do Santuário, padre Luciano Guerra:

– “Dou graças a Deus, pelo Coração de sua Santíssima Mãe, e pela mediação dos pastorinhos Francisco e Jacinta, por nos encontrarmos hoje aqui, na Capelinha das Aparições, para assinarmos o contrato da empreitada inicial da igreja da Santíssima Trindade. Fez em Agosto oitenta e seis anos que, pela primeira e única vez, nas suas seis aparições, Nossa Senhora achou por bem ser instada a falar de dinheiro e de construções materiais. Quando a pequena Lúcia, na aparição dos Valinhos, lhe perguntou o que haviam de fazer às esmolas que as pessoas iam deixando na Cova da Iria, a celeste Visão respondeu: «Façam dois andores: um leva-o tu com a Jacinta, e mais duas meninas vestidas de branco; o outro, que o leve o Francisco, com mais três meninos. O dinheiro dos andores é para a festa de Nossa Senhora do Rosário, e o que sobrar é para ajuda duma capela que hão-de mandar fazer.»

O Reitor continua a dissertar sobre a grande obra:

– “Parece evidente que esta indicação tinha um carácter simbólico. Nossa Senhora sabia que a sua capelinha da Aparições sempre e só seria um símbolo. Sabia também o primeiro Bispo de Leiria, D. José, ao lançar a primeira pedra da actual basílica, que ela nunca albergaria todos os que já então, em 1928, e sobretudo nos dias 13, enchiam esta bendita Cova. Também nós sabemos que a futura construção, com os seus nove mil lugares sentados, não vai poder ser usada para acolher os peregrinos dos grandes dias de Fátima. A igreja propriamente dita deste santuário continuará a ser – assim Deus o queira ao menos enquanto cada um de nós viver – este imenso espaço sagrado, a que chamamos Recinto de Oração”.

A seguir os habituais agradecimentos:

– “Ao Senhor Bispo de Leiria-Fátima, a quem coube a última palavra neste projecto, aos membros e assessores do SEAC, ao Conselho de Pastoral do Santuário, a todos os colaboradores, assalariados e voluntários, à equipa projectista, à FASE, a todos os que estão connosco, mesmo com opiniões divergentes, a nossa gratidão e a certeza de uma oração que vamos continuar para que possam, quando a obra estiver concluída, connosco dar graças a Deus: ou porque não errámos quase nada, louvor que com certeza não mereceremos, ou porque, apesar dos erros, conseguimos um resultado aceitável”.

A terminar:

-“E já que estamos a iniciar um lugar de culto em louvor da Santíssima Trindade, deixai que termine com a doxologia que sempre nos conduziu neste projecto, ao longo dos anos: Glória ao Pai, e ao Filho e ao Espírito Santo”.

Setembro 2007:

Declaração do reitor do Santuário, padre Luciano Guerra:

– “ Os custos da nova Igreja da Santíssima Trindade, em Fátima, já contabilizados os acessos, deverão ascender a 80 milhões de euros, o dobro do inicialmente estimado.”

Dezembro de 2011:
Declarações do padre Carlos Cabecinhas, Reitor do Santuário de Fátima:

– “ Sobre a crise: os católicos estão obrigados a ajudar quem precisa. Por muita necessidade que cada um de nós tenha, pode sempre ajudar alguém. E esse será um desafio não só para aqueles que são peregrinos de Fátima mas também um desafio lançado por Nossa Senhora a todos que partilham a mesma fé. Os recursos financeiros são insuficientes para atender os pedidos. O Santuário não tem capacidade para responder a todas as solicitações e não pretende ser a solução para esses problemas”.

“PORQUE GASTAIS O DINHEIRO NAQUILO QUE NÃO É PÃO? (Isaias 55.2)

José Eduardo Taveira

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

8 respostas a “FÁTIMA, TERRA DE MILHÕES”

  1. Os recursos financeiros são insuficientes para atender os pedidos. O Santuário não tem capacidade para responder a todas as solicitações e não pretende ser a solução para esses problemas”.

    “PORQUE GASTAIS O DINHEIRO NAQUILO QUE NÃO É PÃO? (Isaias 55.2)

    Incongruências de uma religião, que foi e continua a ser um travão a disseminação do conhecimento no mundo em que vivemos. O pais mais pequeno e mais rico do mundo, a maior multinacional dom mundo, não tem nem nunca teve, vocação (capacidade), para ajudar os que precisam, nunca esteve ao seu lado, mas sim dos opressores e ditadores. Fátima, o maior filão de ouro do território português, que gera milhões de euros anuais, para que serve e a quem serve esse dinheiro?
    Quais são os exemplos de solidariedade e humildade que a Igreja Católica tem dado ao mundo?
    Quais são os exemplos de Ética e Moral, que tem deixado transparecer?
    Quem são os detentores, as origens, de uma das historias mais devastadora e negra desta humanidade?
    Estamos no fim de um ciclo e a entrar noutro, esperemos que o homem acorde, para não se deixar enganar por lobos, que se disfarçam com pele de cordeiros.
    Freixo

    Gostar

  2. jsola02 diz:

    Um abraço companheiro, antes do mais julgo que o dinheiro das oferendas dos crédulos ao santuário se destinam em exclusivé para a ceia dos cardeais, e não só, também se reparte com o aperfeiçoamenda de uma possivel nova inquisição, um poucochinho para as freiras que sesancam as crianças desvalidas dos asilos (eu sei bem do que falo), e qualquer coizita para os padres pedófilos, e mais uma ninharia para fomentar a literatura da grande literata santa Lucia! Um abraço, e junte-se a mim que já somos dois!

    Gostar

  3. Afinal a Inquisição continua, esperemos que por pouco tempo.

    Segundo o que percebi, porque esta escrito, a responsabilidade e de quem escreve e não do Sitio do Livro, esta proibição, mesmo com meias desculpas, não nos parece correta.

    Gostar

  4. jsola02 diz:

    Quanto a mim, meu caro amigo, neste momento só os pobres é que têm direito a ter “sensibilidade” pela pura e simples razão de que lhes falta pão para os filhos. Esta rapaziada nem capacidade tem para perceber as dificuldades que vêm a caminho. Sem produção não se pode distribuir bem estar! Abraço!

    Gostar

  5. Tenho muita coisa para publicar, mas já percebi que o sitio do livro, ainda esta no tempo inquisitorial.

    Gostar

  6. A propósito dos comentários aqui publicados e em abono da nossa posição, pelos vistos mal-interpretada, e porque pretendemos continuar a não exercer qualquer moderação ou intervenção nos conteúdos publicados neste blogue, o que nos parece já sobejamente demonstrado e, ainda, dado que não vamos transcrever aqui excertos da correspondência trocada com os nossos autores, que entendemos tratar-se de matéria do seu foro privado, vemo-nos na necessidade de reiterar, desta forma, que criámos este blogue, não para que se torne num foro de intervenção político-ideológica, por muito pertinente e razoável que seja, mas sim num espaço de partilha, entre todos os seus participantes, de experiências, expectativas, vivências ou opiniões sobre temas do mundo dos livros, da literatura e da cultura em geral e que sirva o propósito de ajudar a divulgar os autores que publicam as suas obras por nosso intermédio.

    É apenas neste contexto e não com qualquer intuito ideologicamente condicionador, que nos permitimos dirigirmo-nos particularmente a alguns dos nossos contribuidores, quando se nos afigure que algum artigo seu extravase o âmbito do blogue, pareça despropositado ou possa tornar-se contra-producente, mas fazemo-lo numa perspectiva meramente consultiva, sem pretendermos inibir qualquer intervenção. E deixamos-lhes, como sempre fizemos e continuaremos a fazer, plena liberdade para continuarem a escrever aqui o que bem entendam.

    Julgamos que o facto de não termos tido qualquer interferência em tudo quando aqui já foi publicado é prova suficiente da falta de justeza de alguns dos comentários feitos a nosso respeito. Afinal, este blogue é dos autores que publicam livros através do Sítio do Livro, que serão, em última instância, quem decidirá o que querem que ele seja.

    Importa ainda esclarecer que as posições expressas por quaisquer representantes do Sítio do Livro assumem-se em nome da nossa empresa e não reflectem necessariamente juízos pessoais.

    Gostar

  7. latifa Mauricio Mandlate diz:

    ola a todos,venho humildemente apelar a todos quanto sejam parte desse blog,refiro-me aos que directa ou indirectamente particiam dele para que sejam tolerantes e compreensivos uns com os outros.Creio que existem muitos meios de mostrarmos nosso desagrado relativamente a determinado facto ou pessoa sem precisarmos de ser necessariamente ofensivos…Antecipadamente,obrigada a quem tiver conseguido andar em paralelo com o meu fio de pensamento.Muito amor,saude,paz…k 2012 seja o tal ano

    Gostar

  8. Um espaço desta natureza, torna-se interessante e útil, quando os seus membros expõem livremente as suas verdades, que naturalmente podem e devem ser questionadas pelas verdades dos outros.

    Cito:
    «Creio que existem muitos meios de mostrarmos nosso desagrado relativamente a determinado facto ou pessoa sem precisarmos de ser necessariamente ofensivos…»

    A verdade de um, pode ser amarga ou interpretada dessa forma pela verdade do outro, assim sendo deve ser rebatida, com civismo, elegância, e nunca com meias desculpas, porque pode ferir, ser ofensiva para (A) ou (B).

    O homem ao longo de séculos foi vítima de acções inquisitoriais que se manifestavam de várias formas, de entre elas a liberdade do pensamento e expressão. Quando postei a minha verdade sobre o tema Fátima, muito ficou por dizer. É sem a menor duvida uma verdade amarga, para muitos e bons Católicos, mas não adianta esconder a cabeça na areia, é através da história que nos situamos no presente e construímos o futuro.

    As verdades por muito amargas que sejam devem ser ditas, e questionadas por verdades maiores, se estas existirem. A meu ver, só por esta via, se pode construir uma verdade maior, e é aí, que reside o interesse nestes espaços. Quando são condicionados por verdades de conveniência deixam de ter interesse, pelo menos para mim.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s