Lucidez e Naufrágio

ESTA COISA DA LUCIDEZ É DISCUTIVEL, COMO TUDO NA VIDA. TENHO A MINHA, E NÃO QUERO SOBREPÔ-LA NEM IMPÔ-LA AOS OUTROS. APENAS E SOMENTE A PARTILHO. PENSO QUE É A PRIMEIRA VEZ QUE A PARTILHO CONVOSCO. SE ACASO ME ENGANO, PERDOEM-ME!
LUCIDEZ
(…) João escuta o silêncio do quarto. É como uma toada monótona e sem fim. Do lado esquerdo da cama adivinha um quadro com uma Virgem sofredora a receber nos braços o corpo de um filho morto. Um Filho a quem o mundo que o matou chama Deus, ou Filho também de Deus, que o fez sem o pecado da carne. Como se o amor consentido fosse pecado. É esta a moral dos homens. Alguma coisa ou alguém virá por aí para nos salvar. Mas salvar do quê, de quem? Salvar de nós próprios, pois claro. Num raciocínio de bom senso, isto é como se alguém não fizesse ideia do que afinal anda por aqui a fazer. Afinal, tudo o que a Humanidade quer é simplesmente impunidade. Impunidade entre nações e crenças, impunidade porque se apropria um vizinho daquilo que é do outro vizinho, porque rouba, porque escraviza, porque destrói, porque humilha, porque espezinha, porque assassina, porque desonra. Impunidade e perdão. Afinal a Humanidade quer tudo e, para sua cómoda vantagem, quer tudo dado por Alguém não humano a quem atribui as culpas de a ter, (por desvario de um momento de solidão), Criado. Olhando em redor, esta Humanidade de conveniências e de interesses, lembra-se das suas crenças. Pois, está ali o culpado. Deus, que ainda por cima cometeu o “pecado” de fazer o Homem, (este estafermo facilmente corruptível), à sua Imagem. Ali está então quem vai pagar as “favas” todas, Ele e o Diabo, numa conflitualidade onde se chocam os interesses do Bem e do Mal. Mas que rica prenda é esta Humanidade, beata por fora, maldosa por dentro, ardilosa, conflituosa e interesseira, e ao mesmo tempo extremosa pelos seus filhos povos, que a apaparicam e a mimam, lhe afagam os cabelos e lhe chamam mãe. Em verdade vos digo que estes povos são mesmo filhos da mãe, ou saem a esta mãe porque nela se revêem. Que forma tão bem engendrada que esta Humanidade arranjou para se desculpar, afinal, daquilo que na verdade é, (…)
NAUFRÁGIO
QUANDO OCORRE UM NAUFRÁGIO, OS PRIMEIROS A ABANDONAR O BARCO SÃO OS RATOS. METEM-SE DENTRO DOS SALVA VIDAS, ESCONDIDOS POR TODOS OS CANTOS; ENTRAM PARA AS BALSAS, E LÁ CONSEGUEM SOBREVIVER. CONTO TRÊS ESPÉCIES DE RATOS: OS QUE CHAFURDAM NA IMUNDICIE, QUE VIVEM NUM CHAVASCAL DE PORCARIA E TRAZEM COM ELES CARRADAS DE PESTE. E OS OUTROS, QUE SÃO: OS FANÁTICOS DA RATARIA, QUE SÃO COMO OS PRIMEIROS, MAS SÃO CONSCIENTES E ZELOSOS DA ESPECIE. SÃO OS RATOS OPUS DEI. DEPOIS VÊM OS ULTIMOS, OS SECRETOS, OS RATOS MAÇONS. É CERTO QUE ESTES ULTIMOS, SENDO EM TUDO SEMELHANTES AOS OUTROS, SÃO UM POUCO MAIS EVOLUIDOS, PORQUE NÃO ACREDITAM EM DOGMAS, MAS, PORQUE SÃO CLANDESTINOS, SECRETOS, NÃO SE DISTINGUÉM DOS DEMAIS. CERTO DIA, DURANTE UM NAUFRÁGIO, UM RATO CONSCIENTE (COMO SE TAL SEJA POSSIVEL), AO DESCER PARA O SALVA VIDAS, NUM RASGO DE CONSCIÊNCIA, GRITOU: “ENTÃO E OS OUTROS?” E OUTRO RATO, QUE, MAIS ACIMA, DESCIA PELA MESMA CORDA, RESPONDEU: “Ó PÁ, A GENTE SAFA-SE E OS OUTROS QUE SE DESUNHEM!”

Anúncios

Sobre jsola02

quando me disseram que tinha de escrever uma apresentação, logo falar sobre mim, a coisa ficou feia. Falar sobre mim para dizer o quê? Que gosto de escrever, (dá-me paz, fico mais gente), que escrever é como respirar, comer ou dormir, é sinal que estou vivo e desperto? Mas a quem pode interessar saber coisas sobre um ilustre desconhecido? Qual é o interesse de conhecer uma vida igual a tantas outras, de um individuo, filho de uma família paupérrima, que nasceu para escrever, que aos catorze anos procurou um editor, que depois, muito mais tarde, publicou contos nos jornais diários da capital, entrevistas e pequenos artigos, que passou por todo o tipo de trabalho, como operário, como chefe de departamento técnico, e que, reformado, para continuar útil e activo, aos setenta anos recomeçou a escrever como se exercesse uma nova profissão. Parece-me que é pouco relevante. Mas, como escrever é exercer uma profissão tão útil como qualquer outra, desde que seja exercida com a honestidade de se dizer aquilo que se pensa, (penso que não há trabalhos superiores ou trabalhos inferiores, todos contribuem para o progresso e o bem estar do mundo), vou aceitar o desafio de me expor. Ficarei feliz se conseguir contribuir para que as pessoas pensem mais; ficarei feliz se me disserem o que pensam do que escrevo… José Solá
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Uma resposta a Lucidez e Naufrágio

  1. Lucidez e Loucura:
    Um lúcido num mundo de loucos esta em minoria,
    Portanto é louco.

    Perdeu-se a ética, esqueceu-se a moral,
    Vingou o obscuro,
    Neste mundo temporal.

    Os lúcidos loucos estão a emergir,
    Perdido o medo de tugir e mugir.

    Os tempos mudam,
    A ignorância passa,
    O obscurantismo tem os dias contados,
    Nesta terra devassa.

    A inquisição,
    Começa a perder terreno,
    Nos meios de comunicação,
    Questionam-se fins de tempos,
    E obsoleta salvação.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s