A anedota

NÃO SOU GRANDE FÃ DE ANEDOTAS, MAS ESTA, (QUE PARA MUITOS JÁ TEM “BARBAS”) TALVEZ DESPERTE A VOSSA CURIOSIDADE, PORQUE TEM UMA CERTA MORAL…
Na madrugada gelada da Lapónia, com flocos de neve a alcatifar o chão da floresta, um lenhador caminha para o seu local de trabalho, levando ao ombro o seu machado. Nisto, repara que, no caminho, está caído um passarinho, que ainda dá sinais de vida. Condoído, o lenhador apanha a pobre avezinha, aconchega-a nas suas mãos possantes e calosas, e continua o seu percurso.
Quando já está bastante perto do local onde trabalha, pensa, “Então como vou conseguir trabalhar sem abandonar à triste sorte este pobre e indefeso bichinho?” Então repara que uma vaca se afasta, depois de ter defecado uma enorme (e ainda fumegante) poia. O lenhador não hesita. Com um pauzito abre um buraco na poia, em forma de ninho, e nele coloca o passarinho. Depois, segue a sua vida.
A avezinha, aconchegada no quente, começa a cantar. Nisto, um enorme lobo que por perto passa, de um salto, abocanha e come o indefeso passarinho…
A MORAL DESTA HISTÓRIA:
UNS PARA NOS SALVAREM PÕEM-NOS NA MERDA, OUTROS QUANDO NOS ENCONTRAM NA MERDA, COMEM-NOS…
Bons dias amigos, e divirtam-se. Não se esqueçam, nas próximas eleições votem nos mesmos…
José Solá

Anúncios

Sobre jsola02

quando me disseram que tinha de escrever uma apresentação, logo falar sobre mim, a coisa ficou feia. Falar sobre mim para dizer o quê? Que gosto de escrever, (dá-me paz, fico mais gente), que escrever é como respirar, comer ou dormir, é sinal que estou vivo e desperto? Mas a quem pode interessar saber coisas sobre um ilustre desconhecido? Qual é o interesse de conhecer uma vida igual a tantas outras, de um individuo, filho de uma família paupérrima, que nasceu para escrever, que aos catorze anos procurou um editor, que depois, muito mais tarde, publicou contos nos jornais diários da capital, entrevistas e pequenos artigos, que passou por todo o tipo de trabalho, como operário, como chefe de departamento técnico, e que, reformado, para continuar útil e activo, aos setenta anos recomeçou a escrever como se exercesse uma nova profissão. Parece-me que é pouco relevante. Mas, como escrever é exercer uma profissão tão útil como qualquer outra, desde que seja exercida com a honestidade de se dizer aquilo que se pensa, (penso que não há trabalhos superiores ou trabalhos inferiores, todos contribuem para o progresso e o bem estar do mundo), vou aceitar o desafio de me expor. Ficarei feliz se conseguir contribuir para que as pessoas pensem mais; ficarei feliz se me disserem o que pensam do que escrevo… José Solá
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s