ANTÓNIO NOBRE – Enterro de Ofélia


antonio nobre

ANTÓNIO NOBRE

(Porto, Portugal, 1867 -Foz do Douro, 1900)

Poeta

ENTERRO DE OFÉLIA

Morreu. Vai a dormir, vai a sonhar… Deixá-la!

(Falai baixinho: agora mesmo se ficou…)

Como Padres orando, os choupos formam ala,

Nas margens do ribeiro onde ela se afogou.

 

Toda de branco vai, nesse hábito de opala

Para um convento: não o que Hamlet lhe indicou,

Mas para um outro, horror! que tem por nome Vala,

De onde jamais saiu quem, lá, uma vez entrou!

 

O doce Pôr-do-Sol, que era doido por ela,

Que a perseguia sempre, em palácio e na rua,

Vede-o, coitado! mal pode suster a vela…

 

Como damas de honor, Ninfas seguem-lhe os rastros,

E, assomando no Céu, sua Madrinha, a Lua,

Por ela vai desfiando as suas contas, Astros!

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.