PARABÉNS! CESÁRIO VERDE

Cesário Verde nasceu em Lisboa no dia 25 de Fevereiro de 1855 e viveu até 1886.

Frequentou durante poucos meses o Curso Superior de Letras da Universidade de Lisboa. Desistiu e foi trabalhar para uma loja de ferragens propriedade de seu pai, na Rua dos Bacalhoeiros.

No entanto a sua vocação poética impedia-o de estar intelectualmente inactivo. Começou a publicar os seus poemas no Diário de Notícias e noutros jornais.

Quando adoece com tuberculose, muda-se para casa de família em Linda-a-Pastora.

O seu grande amigo Silva Pinto, que fora seu colega na Universidade, publicou a título póstumo “O livro de Cesário Verde”, que reúne as poesias do autor.

Sobre a sua estética literária e as características temáticas da sua poesia não cabe neste pequeno texto referi-las. No entanto podemos tomar conhecimento do seu pensamento através dos seguintes depoimentos:

– Eduardo Lourenço: “O universo de Cesário não é um universo pensado, crítico, à maneira de Eça (…), é um mundo sentido, palpado e ao mesmo tempo transcendido pelo sonho, que é desejo de um lugar outro, de uma humanidade outra que inconscientemente o conforta na sua admiração pela força, pela saúde e energia que a memória e o sangue lhe denegam.”

– Jacinto do Prado Coelho: “Poeta do imediato, Cesário é também um poeta da memória…”

– Óscar Lopes: “ É, porém, em «O Sentimento dum Ocidental» (…) que o poeta ultrapassa com maior fôlego estrutural o seu naturalismo positivista, no mesmo momento em que parecia, aliás, consumá-lo em poesia. (…) Cesário não se desprende da imanência aos dados da percepção sensível, mas articula-o com um modo inteiramente novo, precursor do Cubismo ou Interseccionismo. Para Cesário, como depois para Pessoa, o eu, o tu, o nós, o tempo irreversível e as dimensões reversíveis do espaço, as coisas mais simples constituem problemas e despertam ânsias que a poesia apreende antes mesmo de se formularem em teoria.”

– Mário Cesariny presta homenagem a Cesário Verde neste poema:

Aos pés do burro que olhava o mar
depois do bolo-rei comeram-se sardinhas
com as sardinhas um pouco de goiabada
e depois do pudim, para um último cigarro
um feijão branco em sangue e rolas cozidas

                                                      Pouco depois cada qual procurou
                                                    com cada um o poente que convinha.
                                    Chegou a noite e foram todos para casa ler Cesário Verde
                                            que ainda há passeios ainda há poetas cá no país

Pensamentos e frases de Cesário Verde:

– “Despertam-me um desejo absurdo de sofrer.”

“Não me sinto bem em parte nenhuma e ando cheio de ansiedade de coisas que não posso nem sei realizar.”

“Eu não sou como muitos que estão ao meio dum grande ajuntamento de gente completamente isolados e abstractos. A mim o que me rodeia é o que me preocupa.”

“Os caluniadores são como o fogo que enegrece a madeira verde, não podendo queimá-la.”

– “O céu já foi azul, mas agora é cinza . E o que era verde aqui já não existe mais.”

Nesta singela homenagem a Cesário Verde, recordemos o poema:

“Cinismos”

Eu hei-de lhe falar lugubremente
Do meu amor enorme e massacrado,
Falar-lhe com a luz e a fé dum crente.

Hei-de expor-lhe o meu peito descarnado,
Chamar-lhe minha cruz e meu Calvário,
E ser menos que um Judas empalhado.

Hei-de abrir-lhe o meu íntimo sacrário
E desvendar a vida, o mundo, o gozo,
Como um velho filósofo lendário.

Hei-de mostrar, tão triste e tenebroso,
Os pegos abismais da minha vida,
E hei-de olhá-la dum modo tão nervoso,

Que ela há-de, enfim, sentir-se constrangida,
Cheia de dor, tremente, alucinada,
E há-de chorar, chorar enternecida!

E eu hei-de, então, soltar uma risada.

                                        

 

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s