“PARABÉNS! DAVID MOURÃO FERREIRA

DAVID MOURÃO FERREIRA nasceu a 24 de Fevereiro de 1927 e viveu até 16 de Junho de 1996.

Licenciou-se em Filologia Românica pela Faculdade de Letras em Lisboa, onde foi professor em 1957.

Foi o fundador da revista “Távola Redonda”. Colaborou na Seara Nova, nas revistas Graal, Vértice e no Diário Popular. Foi secretário – geral da Sociedade Portuguesas de Autores e após o 25 de Abril foi presidente da mesma Sociedade. Dirigiu o jornal “A Capital” e foi director-adjunto do jornal “O Dia”.

Foi Secretário de Estado da Cultura no período 1976-1978,tendo sido responsável pela criação da Companhia Nacional de Bailado.

Também foi autor de alguns programas culturais na rádio e na RTP.

A partir de 1981 foi responsável pelo Serviço de Bibliotecas Itinerantes e Fixas da Fundação Calouste Gulbenkian. Foi director da revista Colóquio/Letras da mesma Fundação.

A sua carreira literária iniciou-se em 1945 com a publicação de alguns poemas na revista Seara Nova.

David Mourão Ferreira foi poeta, romancista, crítico e ensaísta.

A sua poesia tem a mulher e o amor como temas privilegiados do seu talento. O erotismo está presente na sua obra poética de forma inegualável.

É sem dúvida um dos grandes poetas contemporâneos do século XX.

Amália Rodrigues cantou alguns poemas de David Mourão Ferreira, que ficaram na nossa memória: Maria Lisboa, Fado Peniche, Nome de Rua, Sombra e o celebérrimo Barco Negro.

Ao longo da sua vida de escritor, recebeu inúmeros prémios e consagrações, dos quais se destacam:

– Grau de Grande Oficial da Ordem de Santiago da Espada.

– Prémio de Carreira da Sociedade Portuguesa de Autores. Recebe no mesmo ano a Grã-cruz da Ordem de Santiago da Espada.

– Prémio Nacional de Poesia.

– Prémio da Critica da Associação Internacional dos Críticos Literários

– Grande Prémio de Romance da APE (Associação Portuguesa de Escritores)

– Prémio de Narrativa do Pen Clube Português.

Nesta singela homenagem a David Mourão Ferreira, fiquemos com a ternura deste lindo poema:

                      Ternura

Desvio dos teus ombros o lençol,
que é feito de ternura amarrotada,
da frescura que vem depois do sol,
quando depois do sol não vem mais nada…

Olho a roupa no chão: que tempestade!
Há restos de ternura pelo meio,
como vultos perdidos na cidade
onde uma tempestade sobreveio…

Começas a vestir-te, lentamente,
e é ternura também que vou vestindo,
para enfrentar lá fora aquela gente
que da nossa ternura anda sorrindo…

Mas ninguém sonha a pressa com que nós
a despimos assim que estamos sós!

 

 

 

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s