“PARABÉNS! ALMEIDA GARRETT

ALMEIDA GARRETT  nasce no Porto a 4 de Fevereiro de    1799   e vive até 9 de Dezembro de 1854.

Por razões políticas, a sua família é obrigada a refugiar-se nos Açores, durante a segunda invasão francesa, que entrou em Portugal por Chaves, seguindo-se a ocupação da cidade do Porto. Assim, a sua adolescência é passada na Ilha Terceira, onde entra para a Ordem de Cristo, na qual recebe uma rigorosa educação religiosa.

Quando regressa a Portugal, frequenta Direito na Universidade em Coimbra. Nesta cidade organiza uma loja maçónica, que obterá muitas aderências dos alunos da Universidade.

Participa na revolução de 1820. É dirigente estudantil.

O golpe militar de D. Miguel, em 1823, conhecido como a Vilafrancada, põe fim à primeira tentativa liberal em Portugal. Garrett exila-se em Havre. Mais tarde vai até Paris.

Muitas peripécias na sua actividade política obrigam-no a viajar e desenvolver diversas actividades, quer exercendo cargos políticos ou na oposição. É considerado um dos melhores oradores portugueses e um acérrimo opositor ao Cabralismo (Costa Cabral).

Em conjunto com mais de cinquenta personalidades, subscreve o protesto contra a proposta sobre a Liberdade de Imprensa, vulgarmente designada por “lei das rolhas”.

Com o fim do Cabralismo Garrett regressa à vida política e é eleito deputado. Desempenha o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros. É agraciado com o título de Visconde e Par do Reino.

É de sua iniciativa a organização da Inspecção-Geral dos Teatros, a edificação do Teatro D. Maria II e a criação do Conservatório de Arte Dramática e do Panteão Nacional.

Em relação à sua profícua actividade literária é impossível neste pequeno texto destacar o imenso espólio composto por peças teatrais, romances, poesias, artigos, ensaios, biografias, etc. de um escritor que é uma das maiores figuras do romantismo português.

No entanto não é possível deixar de salientar a grande obra-prima, Frei Luís de Sousa. Otto Antscherl, um reputado crítico alemão, classificou-a como a obra mais brilhante que o teatro romântico produziu.

          Viagens na minha Terra, foi outro dos mais belos livros que escreveu.

A seguir um excerto desta obra:

“Formou Deus o homem, e o pôs num paraíso de delícias; tornou a formá-lo a sociedade, e o pôs num inferno de tolices. O homem — não o homem que Deus fez, mas o homem que a sociedade tem contrafeito, apertando e forçando em seus moldes de ferro aquela pasta de limo que no paraíso terreal se afeiçoara à imagem da divindade — o homem assim aleijado como nós o conhecemos, é o animal mais absurdo, o mais disparatado e incongruente que habita na terra.”

 

José Eduardo Taveira

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.