Um Sonho que não passou esquecido

A partir de um sonho, que não passou esquecido quando o dia nasceu, os Sonhos da Atlântida nasceram e cresceram. Ainda não tinham nome na altura, mas rapidamente tomaram uma forma muito concreta, com muito mais corpo e peso que qualquer outra estória que tenha imaginado antes.

O enredo foi construído da frente para trás. O sonho deu a inspiração para algumas peripécias e dificuldades, mas principalmente para a parte já quase final da estória.
E também a relação entre algumas das personagens obrigatórias (mas não a sua forma), o mote mais místico que surge e a possiblidade de nem tudo correr mal quando tudo parece perdido. Só precisamos de mudar a nossa percepção do que nos rodeia.

Depois das notas se tornarem insuficientes para colocar no papel todas as ideias, relações e contextos que brotavam, não sei bem de onde, com um vigor impressionante, acabei por decidir planear apenas as milestones da aventura, para não perder a orientação, e começar a escrever o texto em si.

Mas… quando se entra em mundos novos, raramente as coisas são como se espera!

A necessidade de investigação surgiu de imediato na sequência de querer tornar o texto verosímil, algo que os leitores conseguissem apreender como uma realidade plausível. A ideia era fazer crescer a outra parte, menos convencional, gradualmente, só depois da estória já estar bem contextualizada.

Precisei de muito mais conhecimentos do que tinha sobre arqueologia, sobretudo arqueologia subaquática, sobre mergulho e técnicas de mergulho avançado, sobre civilizações e escritas antigas… e sobre os Açores.

Descobri que escrever sobre um local que não se conhece é muito difícil. Por muitas fontes que lêsse, por muitas opiniões que procurasse, é um sítio real, que existe e qualquer coisa que escrevesse sobre os Açores nessa situação soava-me falso.

Considerando a estória já alinhavada, as fontes que tinha à mão e o facto de ir aos Açores de imediato ser impossível, só tinha duas escolhas: ou adiava o início da escrita ou começava no meio, depois da passagem pelos Açores.
Bem, adiar a escrita pareceu-me impossível na altura!

E quem disse que isto é sobre a Atlântida ou sobre os Atlantes? Continuo sem poder dar certezas sobre isso. Só a Veronica é que disse tal coisa!

Na estória final pode dizer-se que pouco há daquele sonho, quase apenas a semente. “Apenas”.

Sim, fui aos Açores. Só depois terminei o último capítulo, voltando então ao início para escrever os primeiros, ainda em falta.

http://sonhosdaatlantida.armandofrazao.com

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Opiniões, testemunhos com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s