querem assassinar o leopardo [5]: a charada

O funeral do rei foi intenso e impressionante.

A águia – ainda com uma asa ferida – achou um tanto indecoroso o modo como a viúva, a rainha Leopardo, se aproximava sub-repticiamente do crocodilo, segredando-lhe algo ao ouvido, colando quase os lábios à sua pele rugosa. (É verdade, o crocodilo fora convidado para o funeral. Seria ele, aliás, o novo rei: algum animal se atreveria a pôr em causa o seu direito!?) Mesmo o chacal, que observava, à distância, aquele jogo de sedução entre a rainha e o réptil, não se atrevia a intervir; não se atrevia a gritar, por exemplo: «Que escândalo! Diante do cadáver!»

O rei leopardo sucumbira ao efeito de um veneno.

A águia pensou:

«Primeiro uma bomba nos aposentos. Depois, veneno na sua bebida. O assassino tem de ser alguém muito próximo do rei, com acesso ao quarto e à comida…»

O chacal – que tinha socorrido a águia, mas quem sabe se não após ter disparado o tiro – ou… a viúva…!?

Havia um pormenor: a bomba tinha fracassado. O chacal não era incompetente – não a esse ponto!

De repente, percebeu tudo.

A verdade estivera sempre diante dos seus olhos treinados. Sempre, sempre, sempre, sempre. [E, se pensarmos bem no assunto, também diante dos olhos dos leitores – como raio não percebemos, todos, logo?]

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Opiniões, testemunhos com as etiquetas , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s