Sublinhados, Eduardo Lourenço, A História É a Suprema Ficção

 

Não consigo ler sem sublinhar. Há livros que vão sendo sublinhados, ressublinhados ao longo dos anos. Até acho uma certa graça a este exercício, olhar os grifos (que palavra mais doida…) de há 30 anos e compará-los com os de hoje. Este livro é a primeira vez que o leio. Já destacada, apenas, a ternura que sempre me inspirou Eduardo Lourenço, pela intervenção simples e humana, o respeito pela sabedoria de quem acaba por saber que o que se sabe pode mudar amanhã.

A propósito de termos entrado “noutro mundo, noutro ciclo, noutro tempo, em que “a tecnologia permite uma comunicação universalizante e universal”, em que “gente fantástica” se encontra e “faz amizades e blogues”, confessa o pensador- filósofo- poeta nunca ter imaginado que “ isto pudesse ter este efeito de simultaneidade”.

– Universalidade? Pergunta José Jorge Letria.

  Resposta de Eduardo Lourenço – Agora é que começa a haver História Universal.É a chamada aldeia global.

 “ Um enriquecimento novo na história do mundo, uma coisa fantástica, de progressão geométrica”, é como Eduardo Lourenço classifica este novo paradigma da vida política. Sei que realmente nada será como os paradigmas que nós conhecemos, diz. Desapareceu não só a democracia ideal de uns pequenos eleitores, de uma pequena grande cidade chamada Atenas, que se vêem todos uns aos outros quando vão votar. Portanto, democracia directa não, nunca existiu, nem esta democracia de segundo grau, representativa. E acrescenta – É uma outra História que começa. Ela é a teia que se faz e desfaz continuamente e acabará por ser realmente uma outra coisa.

A “habilidade humana ” que não precisa ser demonstrada –   já que a própria História não é mais do que isso  –   a capacidade de nos servirmos das coisas “espantosas” , “inumanas”, segundo   Eduardo Lourenço,  está presente  na nossa “ capacidade de recuperarmos o mal pela criação, pela poesia, pela música”.

Pois é, logo hoje, que me sinto alérgica a contactos virtuais e me interrogo sobre se devo deixar de contactar, de ser contactada, via rádio, televisão, facebooks, linkedins ou tweets, cá estou eu, blogging.

Advertisements
Esta entrada foi publicada em Sem categoria com as etiquetas . ligação permanente.

2 respostas a Sublinhados, Eduardo Lourenço, A História É a Suprema Ficção

  1. E eu, nas mesmíssimas circunstâncias, readding…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s