COMO FAZER VIR A CHUVA

CHUVA

       “Como ainda estamos na ordem aparente do mundo, fiquemos por momentos com este personagem, sob o seu mui ilustre nome Nasreddin Hodjâ.

Conta-se na Pérsia que um dia, num tempo de seca tenaz, uma delegação foi ter com ele para lhe perguntar se conhecia um meio de mandar vir chuva.

– Claro – disse ele – conheço um.

– Depressa. Diz-nos o que há a fazer.

Nasreddin pediu que lhe trouxessem uma bacia cheia de água, o que foi feito com grande custo. Quando lhe deram a bacia, tirou a roupa e, para espanto de todos, pôs-se a lavá-la tranquilamente.

– Como!? – Exclamaram. – Juntámos toda a água que nos restava e tu serves-te dela para lavar a tua roupa!

– Não vos inquieteis – respondeu Nasreddin – que eu sei muito bem o que estou a fazer.

Levou todo o tempo necessário, a despeito dos insultos e das ameaças. Lavou a roupa com minúcia e depois disse:

– Agora preciso de outra bacia de água.

Os membros da delegação gritaram ainda mais alto. Onde encontrar a segunda bacia? E para quê? Teria ele perdido o juízo?

Nasreddin manteve-se muito calmo e obstinado.

– Sei muito bem o que faço – dizia ele.

Procuraram por toda a parte, espremeram o barro dos poços, até roubaram a água às crianças, mas trouxeram por fim a segunda bacia.

Nasreddin mergulhou nela a sua roupa e enxaguou-a cuidadosamente.

Os outros olhavam, estupidificados. Já não tinham sequer força para gritar.

Finalmente, ele pediu-lhes que o ajudassem a torcer a sua roupa para a escoar bem. Depois levou-a para o seu pátiozinho e pendurou-a numa corda para a pôr a secar.

Quase no mesmo instante formaram-se grossas nuvens que se aproximaram, e a chuva caiu com abundância.

– Aí têm – disse pausadamente Nasreddin. – É sempre o mesmo, quando estendo a roupa.

 

Nota: Este conto está incluído no livro “Tertúlia de Mentirosos” de Jean-Claude Carrière.

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

2 respostas a COMO FAZER VIR A CHUVA

  1. jacques miranda diz:

    Amigo Taveira! Curiosíssimo este conto que acabas de postar. Lembra muito as crönicas dos alguns literatos brasileiros, a exemplo da Carlos Heitor Cony e Salomão Schvartzmann. Como é aprazível admirar as semelhanças, irmandades dos textos e das ambientação havidas entre Brasil e Portugal. Parabéns pelo bom trabalho. Boa sorte!
    Assinado Jacques Miranda – http://www.sitiodolivro.pt/pt/autor/jacques-miranda/42757/

    Gostar

    • José Eduardo Taveira diz:

      Caro Jacques, muito obrigado pelo comentário. De facto as semelhanças culturais são visíveis nestes textos. Tenho mais dois textos, que publicarei oportunamente. Um abraço.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s