Arquivos Mensais: Setembro 2012

As guitarras de Coimbra estão de luto – faleceu o Dr. Luiz Goes

Foi hoje dia infausto para o Fado de Coimbra. As suas guitarras, fazendo ouvir mais sentidamente o bater do coração que lhes é tão característico, choram o falecimento de um dos mais distintos cultores da canção da Lusa Atenas. Trata-se … Continuar a ler

| Publicar um comentário

Então, e agora?

Então, e agora? O governo do senhor Passos Coelho justifica a miséria a que nos condenou com a baixa das taxas de juro que se tem verificado nos empréstimos externos. É como se a economia fosse uma religião suprema à … Continuar a ler

| Publicar um comentário

PARABÉNS, MARIA JUDITE DE CARVALHO !

Maria Judite de Carvalho nasceu em Lisboa no dia 18 de Setembro de 1921 e viveu até 1998. Foi poetisa, cronista, jornalista, tradutora, romancista, dramaturga. Nesta homenagem no dia do seu aniversário, um excerto do livro “Tanta Gente Mariana”: (…) … Continuar a ler

| Publicar um comentário

PARABÉNS, GUERRA JUNQUEIRO !

Guerra Junqueiro nasceu em Freixo de Espada à Cinta no dia 17 de Setembro de 1850 e viveu até 7 de Julho de 1923. Foi poeta, escritor, jornalista e deputado. Nesta homenagem no dia do seu aniversário, o poema:    A Minha Filha (Vendo-a dormir)   Que alma intacta e delicada! Que argila pura e mimosa! … Continuar a ler

| Publicar um comentário

PARABÉNS, JOSÉ RÉGIO !

José Régio nasceu em Vila do Conde no dia 17 de Setembro de 1901 e viveu até 22 de Dezembro de 1969. Foi poeta, romancista, jornalista, ensaísta, dramaturgo e historiador. Nesta homenagem no dia do seu aniversário, o poema:                              … Continuar a ler

| Publicar um comentário

“A Paixão que Veio do Frio”

| 1 Comentário

PARABÉNS, MANUEL MARIA BARBOSA DU BOCAGE !

  Manuel Maria Barbosa du Bocage nasceu em Setúbal no dia 15 de Setembro de 1765 e viveu até 21 de Dezembro de 1805. Nesta homenagem no dia do seu aniversário, o soneto:     Liberdade querida e suspirada   Liberdade querida e suspirada, Que o Despotismo acérrimo condena; Liberdade, a meus olhos mais serena, Que o sereno … Continuar a ler

| 2 Comentários