O complexo mundo dos livros

São os livros uma mercadoria de transacção comercial, como qualquer outra? Digo que a actividade comercial não só existe, como é indispensável; agora, comparável com qualquer outra, aí, discordo por completo. Enquanto veículos de transmissão do conhecimento experimental que preside, ou está nas origens dos diversos modelos de Civilização, ensaiados e postos em prática pelos homens, no decorrer dos milénios, os livros desempenharam sempre a “estrada” que leva as ideias ao porto ao lado, por mais distante que ele se situe.

Em consequência, os livros tiveram também a sua faceta de objecto infernal, coisa do demo, e foram, tal como na Idade Média sucedeu com todos os que pensavam diferente, ou experimentavam novas “estradas,” condenados a arder nas fogueiras; privilégio foi, (por serem matéria sem vida), não sentirem a dor ou a raiva.

Os livros foram pois, e pelos mais diversos motivos, lançados às chamas, mas sempre tardiamente, ou seja, depois das ideias impressas no papel se terem “entranhado” nas cabeças dos homens. E quem assassinou os livros, como se queimar papel contivesse de forma irreversível o pensamento humano? Atrevo-me a concluir que foram todos os que, na ânsia de se tornarem donos do único bem que nasceu livre e que nunca será escravo, se quiseram livrar do incómodo das ideias dos outros, desde os mentores das raças superiores, passando pelos mandantes religiosos, e, hoje, pela alta finança, que finalmente começa a perceber que, por muito que se esforce, vai estar sempre aquém dos homens, porque foi deles que nasceu.

Hoje, por imperativos de vária ordem, (espaço, principalmente), as editoras por esse mundo fora queimam toneladas de livros; hoje, os livros significam um desperdício inconcebível e inadmissível do meio ambiente, mas também continuam a ser a tal “estrada” que nos projecta mais além. Como compatibilizar a não destruição do meio ambiente com a cultura? Faz parte do nosso prazer entrar numa livraria e consultar livros ao acaso, até que seleccionamos, ou achamos o que queremos, muitas das vezes por simples acaso. Como continuar a harmonizar o prazer de manusear o livro com a protecção dos equilíbrios ambientais? Com imaginação e bom senso. Aqui lhes deixo uma sugestão, tanto aos editores, como aos livreiros.

Experimentem criar livrarias onde se consultam e se escolhem os livros, e onde se compram e nos enviam para casa os exemplares escolhidos?

E já agora, como estou com a” mão na massa, ” porque não perceber que o negócio do livro é muito mais do que um simples negócio, e voltar a seleccionar os escritores através de conselhos de leitura, como sempre se fez, dignificando assim a profissão de Editor e separando o trigo do joio? É que é urgente que se perceba de vez que vaidade é vaidade e escritor é escritor.

De um lado temos quem publica por vaidade de ter um livro editado, e quem publica apenas porque lhe pagam, sem uma ponderação séria dos conteúdos, e sem respeito por quem consome, e do outro lado, temos quem tem vocação e talento, e não é editado porque não tem dinheiro nem nome.

Contra mim falo. Possivelmente perdia em definitivo esta mania de escrever livros atrás de livros, que ficam tristinhos, com a lágrima ao canto do olho, a atravancarem-me a casa, mas como leitor ficava a ganhar, porque o mundo, e o meu país em particular, voltavam a ter escritores, dos bons, dos que são seleccionados pelo conteúdo e pelas mensagens, pelas Ideias e pela poesia da prosa, e nunca por terem dinheiro ou terem apenas nome, o nome que o dinheiro dá, como se escrever fosse um titulo de barão, conde ou duque de qualquer coisa, desses que se compravam aos reis falidos ou gananciosos no antigamente; ou será que os negócios e os lucros são os actuais reis do mundo? Por favor, condenem-me a mim, e deixem que o mundo e este país voltem de novo a ter escritores, porque bem necessitados de ideias novas estamos…

José Solá

 


São os livros uma mercadoria de transacção comercial, como qualquer outra? Digo que a actividade comercial não só existe, como é indispensável; agora, comparável com qualquer outra, aí, discordo por completo. Enquanto veículos de transmissão do conhecimento experimental que preside, ou está nas origens dos diversos modelos de Civilização, ensaiados e postos em prática pelos homens, no decorrer dos milénios, os livros desempenharam sempre a “estrada” que leva as ideias ao porto ao lado, por mais distante que ele se situe.

Em consequência, os livros tiveram também a sua faceta de objecto infernal, coisa do demo, e foram, tal como na Idade Média sucedeu com todos os que pensavam diferente, ou experimentavam novas “estradas,” condenados a arder nas fogueiras; privilégio foi, (por serem matéria sem vida), não sentirem a dor ou a raiva.

Os livros foram pois, e pelos mais diversos motivos, lançados às chamas, mas sempre tardiamente, ou seja, depois das ideias impressas no papel se terem “entranhado” nas cabeças dos homens. E quem assassinou os livros, como se queimar papel contivesse de forma irreversível o pensamento humano? Atrevo-me a concluir que foram todos os que, na ânsia de se tornarem donos do único bem que nasceu livre e que nunca será escravo, se quiseram livrar do incómodo das ideias dos outros, desde os mentores das raças superiores, passando pelos mandantes religiosos, e, hoje, pela alta finança, que finalmente começa a perceber que, por muito que se esforce, vai estar sempre aquém dos homens, porque foi deles que nasceu.

Hoje, por imperativos de vária ordem, (espaço, principalmente), as editoras por esse mundo fora queimam toneladas de livros; hoje, os livros significam um desperdício inconcebível e inadmissível do meio ambiente, mas também continuam a ser a tal “estrada” que nos projecta mais além. Como compatibilizar a não destruição do meio ambiente com a cultura? Faz parte do nosso prazer entrar numa livraria e consultar livros ao acaso, até que seleccionamos, ou achamos o que queremos, muitas das vezes por simples acaso. Como continuar a harmonizar o prazer de manusear o livro com a protecção dos equilíbrios ambientais? Com imaginação e bom senso. Aqui lhes deixo uma sugestão, tanto aos editores, como aos livreiros.

Experimentem criar livrarias onde se consultam e se escolhem os livros, e onde se compram e nos enviam para casa os exemplares escolhidos?

E já agora, como estou com a” mão na massa, ” porque não perceber que o negócio do livro é muito mais do que um simples negócio, e voltar a seleccionar os escritores através de conselhos de leitura, como sempre se fez, dignificando assim a profissão de Editor e separando o trigo do joio? É que é urgente que se perceba de vez que vaidade é vaidade e escritor é escritor.

De um lado temos quem publica por vaidade de ter um livro editado, e quem publica apenas porque lhe pagam, sem uma ponderação séria dos conteúdos, e sem respeito por quem consome, e do outro lado, temos quem tem vocação e talento, e não é editado porque não tem dinheiro nem nome.

Contra mim falo. Possivelmente perdia em definitivo esta mania de escrever livros atrás de livros, que ficam tristinhos, com a lágrima ao canto do olho, a atravancarem-me a casa, mas como leitor ficava a ganhar, porque o mundo, e o meu país em particular, voltavam a ter escritores, dos bons, dos que são seleccionados pelo conteúdo e pelas mensagens, pelas Ideias e pela poesia da prosa, e nunca por terem dinheiro ou terem apenas nome, o nome que o dinheiro dá, como se escrever fosse um titulo de barão, conde ou duque de qualquer coisa, desses que se compravam aos reis falidos ou gananciosos no antigamente; ou será que os negócios e os lucros são os actuais reis do mundo? Por favor, condenem-me a mim, e deixem que o mundo e este país voltem de novo a ter escritores, porque bem necessitados de ideias novas estamos…

José Solá

 


Anúncios

Sobre jsola02

quando me disseram que tinha de escrever uma apresentação, logo falar sobre mim, a coisa ficou feia. Falar sobre mim para dizer o quê? Que gosto de escrever, (dá-me paz, fico mais gente), que escrever é como respirar, comer ou dormir, é sinal que estou vivo e desperto? Mas a quem pode interessar saber coisas sobre um ilustre desconhecido? Qual é o interesse de conhecer uma vida igual a tantas outras, de um individuo, filho de uma família paupérrima, que nasceu para escrever, que aos catorze anos procurou um editor, que depois, muito mais tarde, publicou contos nos jornais diários da capital, entrevistas e pequenos artigos, que passou por todo o tipo de trabalho, como operário, como chefe de departamento técnico, e que, reformado, para continuar útil e activo, aos setenta anos recomeçou a escrever como se exercesse uma nova profissão. Parece-me que é pouco relevante. Mas, como escrever é exercer uma profissão tão útil como qualquer outra, desde que seja exercida com a honestidade de se dizer aquilo que se pensa, (penso que não há trabalhos superiores ou trabalhos inferiores, todos contribuem para o progresso e o bem estar do mundo), vou aceitar o desafio de me expor. Ficarei feliz se conseguir contribuir para que as pessoas pensem mais; ficarei feliz se me disserem o que pensam do que escrevo… José Solá
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s