EDITORAS DESTROEM 100.000 LIVROS POR ANO !

 

 

 

 

O poeta e escritor venezuelano Fernando Báez, autor da obra “História Universal da Destruição dos Livros”, oferece uma visão aterradora da devastação sistemática de livros. O estudo demorou 12 anos, começando no Mundo Antigo, passando pela Inquisição e tempos das conquistas, até à catástrofe mais recente: a destruição de um milhão de livros no Iraque, resultado da sangrenta guerra.

O medo, o ódio, a intolerância de todos os tipos e a ambição pelo poder são as causas principais para destruir não o objecto em si, o livro, mas o que ele representa: a ligação com a memória, a riqueza intelectual de toda uma civilização.

Há 50 anos a UNESCO definiu o livro, e outros bens ligados à cultura, como “produtos culturais”. Isto significa que o livro é um produto comercial e portanto está sujeito às regras do mercado.

          Em Portugal mais de 100.000 livros são destruídos por ano!

Numa entrevista a um jornal diário em 2010, o administrador-delegado do grupo Leya considerou que a destruição de livros é uma “prática de todas as editoras pelo mundo fora”, justificada pelos custos de estocagem, além da falta de capacidade física dos armazéns.

Para as editoras é mais vantajoso destruir os livros do que suportar os custos de armazenagem. Quando não conseguem colocar os livros no mercado, mesmo promovendo descontos e acções especiais, o destino é o abate.

A possibilidade de as editoras oferecerem os livros a instituições, a países de língua portuguesa, etc., é anulada por questões burocráticas, económicas e logísticas.

O conceito de produção/impressão digital denominado Print on Demand, minora esses problemas, dado que as cópias dos livros são produzidas a partir de encomendas online e enviadas directamente ao cliente.

No entanto, a evolução tecnológica e a massificação dos livros electrónicos, com custos drasticamente reduzidos e a natural diminuição dos preços de venda ao público, além de outras vantagens, começou a provocar uma revolução no tradicional sistema quer de produção, quer de venda.

Talvez mais cedo do que se possa imaginar, as livrarias que sobreviverem a esta mutação do mercado, e serão poucas, transformar-se-ão em museus de livros.

O fim dos livros de papel parece não ser ficção.

José Eduardo Taveira

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.