EDITORAS DESTROEM 100.000 LIVROS POR ANO !

 

 

 

 

O poeta e escritor venezuelano Fernando Báez, autor da obra “História Universal da Destruição dos Livros”, oferece uma visão aterradora da devastação sistemática de livros. O estudo demorou 12 anos, começando no Mundo Antigo, passando pela Inquisição e tempos das conquistas, até à catástrofe mais recente: a destruição de um milhão de livros no Iraque, resultado da sangrenta guerra.

O medo, o ódio, a intolerância de todos os tipos e a ambição pelo poder são as causas principais para destruir não o objecto em si, o livro, mas o que ele representa: a ligação com a memória, a riqueza intelectual de toda uma civilização.

Há 50 anos a UNESCO definiu o livro, e outros bens ligados à cultura, como “produtos culturais”. Isto significa que o livro é um produto comercial e portanto está sujeito às regras do mercado.

          Em Portugal mais de 100.000 livros são destruídos por ano!

Numa entrevista a um jornal diário em 2010, o administrador-delegado do grupo Leya considerou que a destruição de livros é uma “prática de todas as editoras pelo mundo fora”, justificada pelos custos de estocagem, além da falta de capacidade física dos armazéns.

Para as editoras é mais vantajoso destruir os livros do que suportar os custos de armazenagem. Quando não conseguem colocar os livros no mercado, mesmo promovendo descontos e acções especiais, o destino é o abate.

A possibilidade de as editoras oferecerem os livros a instituições, a países de língua portuguesa, etc., é anulada por questões burocráticas, económicas e logísticas.

O conceito de produção/impressão digital denominado Print on Demand, minora esses problemas, dado que as cópias dos livros são produzidas a partir de encomendas online e enviadas directamente ao cliente.

No entanto, a evolução tecnológica e a massificação dos livros electrónicos, com custos drasticamente reduzidos e a natural diminuição dos preços de venda ao público, além de outras vantagens, começou a provocar uma revolução no tradicional sistema quer de produção, quer de venda.

Talvez mais cedo do que se possa imaginar, as livrarias que sobreviverem a esta mutação do mercado, e serão poucas, transformar-se-ão em museus de livros.

O fim dos livros de papel parece não ser ficção.

José Eduardo Taveira

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s