Poeira…

Poeira…
Este mundo de tristezas infinitas em que calhamos a viver, é feito de fantasias atiradas ao ar, como poeiras, pelos que se consideram detentores da razão, (pelo direito que julgam que o dinheiro lhes confere), para aquietarem os que, (julgam eles), por meras razões de pobreza, lhes devem tirar o chapéu, enquanto, respeitosamente, se afastam para que majestosamente eles passem, a distribuírem óbolos e a receberem a reverência das vénias. E quando assim não sucede? Então, aqui del rei, que eles, não se saracoteando nus, nos mostram o majestático rabo enquanto passam, e se transformam na chacota que faz rir os humildes.
Vem isto a propósito da Grande Reportagem da SIC, que tive o gosto de ver ontem, dia primeiro de Abril. Tratava da Reforma Agrária que vingou em parte da Andaluzia, em Espanha, onde mais de um milhar de hectares foi conquistado pelos que trabalham a terra.
De um espaço onde se viam apenas searas de trigo e girassóis, tratado por um pequeno punhado de pessoas assalariadas pelos grandes agrários, passou a chão bem aproveitado, onde se diversificam as culturas. A Cooperativa rentabilizou a terra; passaram à transformação dos produtos, criaram centenas de postos de trabalho que, em alturas de colheitas, requerem braços extras das terras vizinhas. Criaram vida onde antes existia a triste certeza da incompetência que faz florescer a miséria. Libertaram-se do jugo dos medíocres. Reinventaram o Socialismo. É como se a solidariedade firmada na vontade férrea de ser gente livre lhes incutisse, (gravado no mais fundo do ser), a noção de que os homens livres nunca temem o futuro.
Dizemos nós, portugueses, que o futuro a Deus pertence. Como os Povos, sendo vizinhos, conseguem ser tão diferentes! Não. O futuro é de quem o toma nas mãos, de quem é bravo, de quem luta. É dos que não choram, nunca se acomodam e desconhecem o que é a cobardia.
Eles constroem as suas casas, as escolas; eles moldam o amanhã, com base no salutar princípio, de que, quem não sabe fazer aprende, o que equivale a dizer que, ao homem justo, até é possível mover montanhas!
Penso no nosso Alentejo. Nos nossos trabalhadores agrícolas, na sua eterna vidinha afadigada a produzir riqueza da qual nunca desfrutam. Penso nos governos que nos apequenam, nos amesquinham, quando nos atiram à cara com a máxima (já sobejamente conhecida por todos), de que vivemos acima das nossas possibilidades, como se o povo mais pobre, (eternamente mais pobre), deste continente, por um desígnio inqualificável vindo da Divina Providência, esteja condenado às chamas de um inferno que prolonga até ao infinito a sua triste sina!
Conquistámos uma Republica a sangue e fogo, mas vamos esquece-la por imposição de decreto; e quando, nos períodos de infortúnio, nos tentamos unir em torno da figura do nosso Presidente, o que retorna dele não é animo, mas sim uma espécie de “Tenham paciência,” e fala-nos da reforma da esposa, que, (apesar do seu elevado estatuto social), é parca em numerário, como se o povo desconhece-se os critérios que determinam os valores das reformas, baseados em descontos e anos de serviço, ou diz-nos de novo “Tenham paciência,” quando nos fala da sua desdita de não conseguir cumprir com as suas despesas, em face dos parcos montantes da sua reforma.
Sendo Deus a evidência sagrada que justifica este pobre mundo, (eu chamo-lhe Iminência parda), nós, que calhamos existir pelo seu Desígnio, aqui por estas bandas Ibéricas, fomos assim esquecidos, depois de tamanha labuta por esses mares fora, de Cruz erguida numa mão e o machado na outra, por via das dúvidas, por mor de teimosias irredutíveis por parte de gentios inquebrantáveis, porque pela taça do Destino tomamos fel em vez de mel? Talvez porque o Nosso Senhor Tem Avançada Idade, porque as Certezas das Coisas Divinas com o Tempo se tornam Contradições. Não sei. Penso que ninguém sabe o porquê destas coisas. Mas julgo que é chegada a hora de sermos gente. Gente crescida que se respeita, que se afirma, que quer seu a terra que lhe pertence. Gente que trabalhe a terra que tomou sua, livre da tutela dos que nos atiram aos olhos as suas poeiras…
José Solá

Anúncios

Sobre jsola02

quando me disseram que tinha de escrever uma apresentação, logo falar sobre mim, a coisa ficou feia. Falar sobre mim para dizer o quê? Que gosto de escrever, (dá-me paz, fico mais gente), que escrever é como respirar, comer ou dormir, é sinal que estou vivo e desperto? Mas a quem pode interessar saber coisas sobre um ilustre desconhecido? Qual é o interesse de conhecer uma vida igual a tantas outras, de um individuo, filho de uma família paupérrima, que nasceu para escrever, que aos catorze anos procurou um editor, que depois, muito mais tarde, publicou contos nos jornais diários da capital, entrevistas e pequenos artigos, que passou por todo o tipo de trabalho, como operário, como chefe de departamento técnico, e que, reformado, para continuar útil e activo, aos setenta anos recomeçou a escrever como se exercesse uma nova profissão. Parece-me que é pouco relevante. Mas, como escrever é exercer uma profissão tão útil como qualquer outra, desde que seja exercida com a honestidade de se dizer aquilo que se pensa, (penso que não há trabalhos superiores ou trabalhos inferiores, todos contribuem para o progresso e o bem estar do mundo), vou aceitar o desafio de me expor. Ficarei feliz se conseguir contribuir para que as pessoas pensem mais; ficarei feliz se me disserem o que pensam do que escrevo… José Solá
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s