JOÃO VILLARET, ANTÓNIO BOTTO E FERNANDO PESSOA

joao villaret

JOÃO VILLARET

(Lisboa, Portugal, 1913 – 1961)

Actor, encenador, declamador

***

ANTÓNIO BOTTO

 (Abrantes, Portugal, 1897 – Rio de Janeiro, Brasil, 1959)

Poeta, dramaturgo

***

FERNANDO PESSOA

(Lisboa, Portugal, 1888 -1935)

Poeta, filósofo, dramaturgo, publicitário

***

JOÃO VILLARET:

“Eu era um actor havia muito pouco tempo – tinha 3 anos de teatro – e António Botto era muito meu amigo. Um dia disse-me: Ó João, tu queres conhecer o Fernando Pessoa?

Eu devo confessar sinceramente que sabia muito bem da existência de Fernando Pessoa e do que ele representava, mas, pela minha mocidade nessa altura não me dava bem conta da pessoa que ia conhecer nem da importância que isso hoje teria para mim. E fui. António Botto veio-me buscar à saída do ensaio – era inverno, chovia – viemos pela Rua do Ouro abaixo, voltámos depois à arcada do Terreiro do Paço e ele levou-me ao Café Martinho. Era no Café Martinho que se encontrava Fernando Pessoa. E fui-lhe apresentado.

Não me posso esquecer nunca da visão dele. Um homem meio alto, talvez magrinho, não sei se vestido de cinzento-escuro se de preto, mas a impressão que me dava é que era de preto, mas que a cara dele era uma luz branca. Um corpo todo negro e um chapéu todo negro, havia uma tal intensidade de luz e de expressão na sua cara, nos seus olhos, nos seus óculos, que era uma coisa fascinante.

Fernando Pessoa nunca falou de si. Falou dos versos do Botto, falou dos outros mas não houve uma referência nunca a si próprio. Passou o encantamento, deviam ser umas 8 horas, saímos os três e fomos andando pela Rua do Arsenal. Então, António Botto, volta-se para Fernando Pessoa, ao pé do Largo do Corpo Santo, mesmo em frente da igreja e diz-lhe assim: Ó Pessoa, você não se importa de dizer a sua “Tocadora de harpa”?

Devo dizer que António Botto tinha uma verdadeira loucura por esse poema de Fernando Pessoa. Agora é que eu sei o que devo à vida por esse momento. Dum lado António Botto, eu no meio e do outro lado Fernando Pessoa, e diante da igreja do Corpo Santo, numa tarde murrinhenta ao Cesário Verde. Ao lusco-fusco de uma noite de inverno, ouvi Pessoa dizer a “Tocadora de harpa”.

 

in “João Villaret” – Sua Vida… Sua Arte…

Autor: Mário Baptista Pereira

 

 

 

 

 

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s