Manhã

A manhã passou ali… toda apressada

Não me viu, e tropeçou no meu ser

Percorro esta avenida violenta e sinto-me a fugir do meu corpo

Fico ao relento, esperando a amanhã cruel de novo a aparecer

E vou queimando as imperiosas chamas, o sepulcro mortal

todo o dia, toda a noite

Sem saber o que fazer

sem saber para onde ir!

Advertisements

Sobre araujosandra

Autora e Psicóloga Clínica
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s