SIMONE VEIL – Discurso em defesa da igualdade das mulheres

SIMONE VEIL

Simone Veil, nasceu em Nice, França, no ano de 1927.

É uma política e jurista francesa, que dedicou a vida às causas das mulheres, dos idosos, dos imigrantes e das crianças adoptadas. Foi a responsável pela lei francesa de despenalização do aborto, em 1975, enquanto Ministra da Saúde.

Simone Veil é uma sobrevivente do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau, onde viu morrer todos os seus familiares.

Em 1979, foi eleita como a primeira mulher a Presidir ao Parlamento Europeu, cargo que ocupou até 1982.

É membro da Academia Francesa desde 18 de Março de 2010 e Presidente da Fundação para a Memória da Shoah.

Aos 80 anos, decidiu escrever o seu livro de memórias: “Uma vida”.

Excerto do discurso proferido por Simone Veil, no Senado Francês, em 1974:

“Se tantas mulheres correram o risco de uma pesada condenação judicial, se tantos médicos foram contra a lei e explicaram porquê, foi porque a opinião pública já percebeu como é iníqua uma lei que nunca atingiu os objectivos que dizia perseguir, o de impedir os abortos. Mas, para além da ineficácia, há outras fortes razões para mudar a nossa legislação. Razões tão sérias que são na realidade bem poucos os que desejam a sua manutenção ou que ainda acham a sua aplicação possível.

A primeira razão é a desigualdade insuportável das mulheres frente a uma gravidez indesejada. Tal desigualdade resulta evidente não só das estatísticas judiciais — são sempre as mulheres de meios mais modestos que estão envolvidas — mas também daquilo que todos podemos ver hoje sem margem para dúvidas: para quem tem meios, a angústia e a solidão são muito menos difíceis.

O sofrimento — porque se trata sempre de um sofrimento para qualquer mulher — é suavizado pela segurança que oferece uma clínica em França ou no estrangeiro. Para as outras, que não tiveram acesso a estas soluções ilegais mas apesar de tudo mais seguras, abrem-se então as soluções bem conhecidas e cuja mera evocação é dificilmente suportável. Elas acabam por conduzir essas mulheres aos serviços hospitalares, permanentemente ocupados por quem recorreu a tais procedimentos de mutilação. Algumas hão-de pagar com a vida este gesto de desespero, muitas outras serão atingidas por uma esterilidade ou uma deficiência que marcará todo o resto da sua vida.

É uma injustiça insuportável que a vida, a saúde, a futura maternidade de uma mulher estejam assim ligadas ao seu nível socioprofissional. A maioria dos cidadãos sabe-o. Não podemos continuar a tolerá-lo porque o sentido do esforço social dos nossos dias é reduzir as desigualdades perante o sofrimento e a adversidade.”

Nota: Muitas mulheres, ao longo da História, lutaram e lutam pelos seus direitos, tais como: Elizabeth Cady Stanton, Susan B. Anthony, Voltairine de Cleyre, Margaret Sanger, Lucy Stone, Frances Willard, Betty Friedan, Kate Sheppard, Liesl Gerntholz, etc.etc.

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s