FANTASMAS DOS VIVOS E DOS MORTOS

FANTASMAS

Maurice Maeterlinck, escreveu:

“Sabe-se que existe, sobre os fantasmas dos vivos e dos mortos, toda uma literatura originada por numerosos e escrupulosos inquéritos levados a cabo em Inglaterra, em França, na Bélgica, na Suíça e nos Estados Unidos, pelos cuidados da “Society for Phsychical Research”. Em presença das provas acumuladas, seria ridículo obstinar-se a negar a realidade dos factos. É também incontestável que uma emoção violenta ou profunda pode ser transmitida instantaneamente de um espírito para o outro, qualquer que seja a distância que separa o que a experimenta daquele a quem a comunica.”

E Frederic Meyers regista, em “Human Personality”:

“De resto, embora menos frequentemente, um perigo ou uma crise, graves, podem originar e enviar a distância um aviso, geralmente sob a forma de uma alucinação visual, mais raramente como alucinação auditiva.”

É o que a “Society for Phsychical Research chama “Fantasmas dos vivos.” Quando a alucinação se verifica mais ou menos tempo depois da morte daquele que parece evocar é classificada entre os “Fantasmas dos mortos.” De facto, a emoção mais violenta que pode ser sentida pelo homem, aquela que o oprime e o transtorna, é a aproximação da morte. Todavia, acrescenta Meyers, “os fantasmas dos mortos são mais raros”. Se fosse possível traçar uma curva indicando o número relativo das aparições antes e depois da morte, ver-se-ia que esse número aumenta rapidamente durante as horas que precedem a morte, para diminuir pouco a pouco no decurso das horas e dos dias que passam depois dela.”

Notas:

– Maurice Maeterlinck foi dramaturgo, poeta e ensaísta belga de língua francesa, Prémio Nobel de Literatura em 1911. Os principais temas da sua obra são a morte e o sentido da vida e é uma referência importante do movimento simbolista.

– Frederic Myers foi intelectual, poeta, ensaísta, filólogo britânico e um dos fundadores da “Sociedade de Pesquisas Psíquicas”. Foi um dos precursores na pesquisa de fenómenos paranormais no final do século XIX.

– Este texto está incluído no livro “História do Ocultismo”, de Guy Marais.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.