PARABÉNS, MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO.

 

 

 

Mário de Sá-Carneiro nasceu em Lisboa no dia 19 de Maio de 1890 e decidiu separar-se da vida no dia 26 de Abril de 1916, em Paris.

Foi poeta e ficcionista, um dos nomes mais relevantes do modernismo em Portugal.

Em 1911, matriculou-se na Faculdade de Direito, em Coimbra, mas desistiu alguns meses depois. Foi para Paris com a intenção de frequentar as aulas na Sorbonne, mas também por pouco tempo.

A sua incapacidade de adaptação social e psicologicamente inseguro, levaram-no a viver situações desesperantes.

No entanto, é entre 1912 e 1916, que escreveu a maior parte da sua obra poética. Durante esse período manteve correspondência assídua com o seu grande amigo e confidente Fernando Pessoa.

Com Pessoa, Almada Negreiros, Luís de Montalvor, Alfredo Guisado e Armando Cortes-Rodrigues, fundou a revista “Orfheu” que teve um papel essencial na renovação literária do século XX.

Apesar de ter uma curta produção literária, é considerado um dos maiores nomes da literatura portuguesa.

Da sua obra, destacam-se os livros: “Amizade”, “Princípio”, “Memórias de Paris”, “Dispersão”, “A Confissão de Lúcio”, “Céu em Fogo”, “Indícios de Oiro”.

Publicou muitos trabalhos literários nas revistas “Orfheu” e “Portugal Futurista”.

Em 1958 e 1959 as cartas dirigidas a Fernando Pessoa foram reunidas em dois volumes.

Nesta homenagem no dia do seu aniversário, o poema “Além-tédio”.

               Além-tédio

Nada me expira já, nada me vive

Nem a tristeza nem as horas belas.

De as não ter e de nunca vir a tê-las,

Fartam-me até as coisas que não tive.

 

Como eu quisera, enfim de alma esquecida,

Dormir em paz num leito de hospital…

Cansei dentro de mim, cansei a vida

De tanto a divagar em luz irreal.

 

Outrora imaginei escalar os céus

À força de ambição e nostalgia,

E doente-de-Novo, fui-me Deus

No grande rastro fulvo que me ardia.

 

Parti. Mas logo regressei à dor,

Pois tudo me ruiu… Tudo era igual:

A quimera, cingida, era real,

A própria maravilha tinha cor!

 

Ecoando-me em silêncio, a noite escura

Baixou-me assim na queda sem remédio;

Eu próprio me traguei na profundura,

Me sequei todo, endureci de tédio.

 

E só me resta hoje uma alegria:

É que, de tão iguais e tão vazios,

Os instantes me esvoam dia a dia

Cada vez mais velozes, mais esguios…

 

 

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.