“NOITES CAMONIANAS”

Noites Camonianas” é uma das histórias contadas por Beatriz Costa no seu livro “Sem Papas na Língua”, publicado em 1974, com prefácio de Jorge Amado.

Actriz de revista e de cinema, nascida na Charneca do Milharado, perto de Mafra, teve uma vida recheada de sucessos, viagens e amores. Conviveu com gente ligada às artes, à literatura, ao espectáculo, tanto em Portugal como no estrangeiro.

As suas crónicas escritas com humor, ironia e crítica, merecem ser divulgadas, porque são também o retrato de uma época não muito distante.

                                              

                                                    NOITES CAMONIANAS

No Largo de Camões havia uma leitaria, O Araújo, em que se reunia todas as noites a fina flor do jornalismo, muita gente de teatro e alguns “coiós”. A vedeta destas reuniões boémias era o Nascimento Fernandes, que, como eu, adorava “jaquinzinhos” fritos com açorda, o prato forte da casa. A única atrevida que se sentava naquela mesa de homens com H era eu… Lá estavam Álvaro de Andrade, Félix Correia, Artur Portela, Rogério Peres e tantos outros. O “jaquinzinho” ainda não tinha sido promovido a carapau de gato, que as varinas davam de lambujem às freguesas de pescada! Hoje, estes atrofiadinhos das marés custam trinta e cinco escudos o quilo.

Eu era chamada de vez em quando para animar a ceia, porque o Nascimento se divertia à grande comigo. Outro que era assíduo pela vontade de todos, que o estimavam muito, era o Carlos Baptista. Aparecia o Stuart Carvalhais, já entre as dez e as onze… Contava-se que recebera quatro contos dum trabalho, comprou um casaco de peles para a mulher e quatro caixotes de garrafas de vinho do Porto! Stuart aproveitava essas reuniões para desenhar o que apanhava a jeito do seu traço genial! Se eu tivesse guardado tudo quanto esses homens me dedicaram, tinha centenas de coisas preciosas, que hoje valiam fortunas. Mas o melhor que me ficou deles foi esta recordação! O dinheiro entrou por outro canal: o do suor do meu rosto. Espalhei desenhos, quadros a óleo, poemas, peças valiosas, por mãos sujas, que eu nunca devia ter apertado…

Mas apertei!

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.