PARABÉNS, FIALHO DE ALMEIDA !

 

 

 

 

 

Fialho de Almeida, nasceu em Vila de Frades no dia 7 de Maio de 1857 e viveu até 4 de Março de 1911.

Licenciou-se em medicina, mas o seu interesse pela literatura e pelo jornalismo afastou-o do exercício da profissão.

O seu primeiro trabalho literário foi publicado no jornal “Correspondência de Leiria”.

Foi director literário do jornal “O Interesse Público e “Secretário de redacção de “O Repórter”.

Colaborou no jornal satírico “Pontos nos ii”, de Rafael Bordalo Pinheiro, na “Renascença”, “O Contemporâneo”, “A Folha Nova” e “O Ocidente”.

Fundou e dirigiu as revistas “A Crónica” e “A Ilustração”.

Viajou por Espanha, França, Alemanha, Bélgica, Holanda e Suíça.

Fialho criticou o assassinato do Rei D. Carlos no Terreiro do Paço, em 1 de Fevereiro de 1908, na sequência de uma tentativa falhada de revolução republicana.

Em 5 de Outubro é instaurada a República. A desconfiança revelada pelo escritor, leva-o a ser hostilizado pelo novo regime, apesar de ser um republicano convicto.

Algumas das obras publicadas por Fialho de Almeida: “Contos”, “A Cidade do Vício”, “O País das Uvas”, “Os Decadentes- Romance da Vida”, Contemporânea”, “Pasquinadas”, “Os Gatos”, “O Funâmbulo de Mármore”, “Jornal dum Vagabundo”, “Lisboa Galante”, Madona do Campo Santo”.´

O único texto teatral que escreveu “Trinca-Fortes na Parvónia”, foi publicado postumamente no livro “Actores e Autores”.

Fialho foi um crítico mordaz, sobretudo em relação à pequena burguesia e a alta burguesia financeira dirigente.

Rafael Bordalo Pinheiro pintou o seu retrato que está exposto no Museu Nacional de Arte Contemporânea, no Chiado.

A Câmara Municipal de Cuba deu o nome de Fialho de Almeida a um Centro Cultural e a um Concurso Literário.

Nesta  homenagem a Fialho de Almeida no dia do seu aniversário, um excerto do texto “Os Jornalistas”:

“Compreende-se o jornalismo em França ou na Inglaterra, onde quase tudo o que há de instruído, de liberal, de inteligente, nos três quartos da nação, existe ali […]

Da imprensa deriva toda a espécie de incentivo e de energia fecunda e transformável, que depois vai propulsar em todos os distritos gerais da actividade, moral e ciência, indústria e arte, política e religião. […]

Falem-me agora da acção da imprensa em Portugal, nos últimos anos. Quanto aos jornalistas, dêem-me seis que tenham passado a vida a defender os interesses do povo, sem fazer da redacção elevador para uma aposentadoria; dêem-me quatro aonde eu escolha um grande homem de letras, ou simplesmente um grande homem de espírito.”

 

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.