“DIA DE NATAL”

                                            DIA DE NATAL

            Amélia, vive solitária na sua confortável casa. Com oitenta e sete anos de idade mantém uma actividade salutar, que lhe permite ser autónoma nas suas tarefas quotidianas. Não é feliz, porque a morte do marido Alberto, que ela amou toda a vida, lhe arrebatou a alegria duma existência repleta de sorrisos e amizade. Um companheiro sereno, leal, estimulante.

          Até então eram frequentes as visitas e o convívio de amigos que se visitavam reciprocamente. Alguns foram esquecendo que ela existia. Mas compreende a atitude distanciada quando não há festas, jantares e a presença da pessoa que eles bajulavam por interesse de promoção social. São os amigos de circunstância, quais aves de arribação, que quando faz bom tempo vêm, mas quando faz mau tempo desaparecem.

          Às vezes, raras vezes, os filhos e uma outra amiga lembram-se dela e telefonam-lhe. Mas a sua experiência de vida ensinou-lhe que é o que acontece com quase toda a gente. Não fica, portanto, decepcionada por isso. Basta-lhe a presença espiritual do seu querido Alberto para me sentir acompanhada. E bem acompanhada, felizmente. 

          É DIA DE NATAL.

          A tarde foi terrivelmente especial para Amélia. Ao entrar no prédio onde vive, depara-se com uma criança abandonada no patamar da escada. Poisou os sacos das compras, pegou na criança ao colo e foi bater de porta em porta, tentando saber se alguém sabia do sucedido. Até que uma mulher que estendia roupa à janela e que percebera a sua aflição, chamou-a e disse-lhe que a podia ajudar. Mas exigiu que não a identificasse.

    • “Ali, no 23, rés-do-chão, vive a mãe desta criança. Mas tenha cuidado  que o homem com quem vive é um malandro da pior espécie”. – cochichou com receio”.

    • Amélia agradeceu e lá foi até ao 23, sem se preocupar com mais nada. Bateu à porta. Surgiu uma rapariga, desgrenhada, com ar assustado e quase esquelética. Olha para Amélia com a menina ao colo, pressente qual o objectivo da sua visita, agarra na criança e beija-a com sofreguidão. Do fundo da casa surge um homem com um aspecto horrível. Naquele momento Amélia fica aterrorizada. Obriga a rapariga a devolver-lhe a criança, fecha a porta com violência e no minuto seguinte ouvem-se dois tiros. Correu a chamar a Polícia. Ele tinha assassinado a mãe do bebé.

    •                                                                      *****

           Amélia pensa que por egoísmo, há pessoas que consideram que os seus problemas são terríveis e sem solução. Pura mentira e estupidez. Quando se sente a ficar deprimida pensa no Beethoven e na sua maravilhosa “Sonata ao Luar”. Pula da cama e aí vai ela á procura da luz do sol que tem a felicidade de poder contemplá-la. E transforma-se noutra mulher a pensar positivamente.

         – “Nesta noite de Natal vou ouvir, até dormir, a “Sonata ao Luar” que me transmite uma paz de espírito, um bem-estar interior, que me obriga a soltar meia dúzia de lágrimas, nem de tristeza nem de alegria. Não sei, talvez lágrimas de saudade. Talvez lágrimas de solidão. Ou lágrimas de paz. À espera que o telefone ou a campainha da porta, não toquem…”

          Esta Sonata foi escrita por Beethoven numa fase horrível da sua vida, prestes a suicidar-se. Vivia com graves problemas familiares e sobretudo com uma surdez de evolução rápida que o impedia de conviver e lhe provocava um isolamento que o levou a uma depressão. Na modesta pensão onde vivia, encontrou-se com uma pobre rapariga cega, que lhe disse: “eu daria tudo para ver uma noite de luar”. Beethoven ficou tão emocionado, que considerou a sua tristeza uma coisa insignificante perante a cegueira daquela menina. Ele podia ver e escrever. Ela vivia isolada na escuridão de uma noite sem fim. Então renasceu nele a vontade de viver e trabalhar. Sentou-se ao piano e compôs uma das mais lindas músicas, dedicada à menina cega, a Sonata ao Luar.

          Obrigado Beethoven. Feliz Natal!

 

Anúncios

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s