“HISTÓRIAS DE PESSOAS QUE DECIDI DIVULGAR”

              HISTÓRIA Nº 25 (Continuação)

                 AMÉLIA DA CONCEIÇÃO

         Amélia,

         Gostei muito que tivesse ido ao cinema. Faz muito bem em sair. Fico muito contente quando me conta que se distrai com um filme ou uma peça de teatro. Vá, vá sempre que puder. Com a nossa idade não devemos adiar aquilo que gostamos e nos dá prazer. Olhe, o que me contou do filme corrobora as minhas palavras.

          Existe infelizmente na sociedade actual o sentimento idiota que as pessoas com mais idade não têm o direito de se divertirem, de amarem, de frequentar os lugares que estão abertos a toda a gente. Mas, Amélia, siga em frente. É uma mulher moderna, inteligente e a abarrotar de glamour.

          Um beijo do Amigo Desconhecido.

                                 ****

          Meu Amigo Desconhecido

          Ando um pouco constipada. Já fui ao médico, que me receitou umas bugigangas, que espero me arrebitem. Então, e você, como está? Continua com a sua habitual boa disposição?

          Prometi-lhe noutro dia que contaria uma ou outra história vivida por mim, quando trabalhava como Assistente Social. Como sabe, a função é de entrega quase total e obriga a que tenhamos a capacidade de analisar as situações com rigor e isenção. Mas acredita, meu bom amigo, que há gente capaz de cometer actos hediondos sem o mínimo de escrúpulos? Tinha sido encontrada abandonada uma criança num estado lastimável de saúde. Fiquei encarregada de tratar do bebé e diligenciar descobrir quem o abandonou. Tinha instruções para ajudar a mãe com tudo o que fosse necessário para a criança viver com o direito que se lhe assiste. Andei com ela ao colo, batendo de porta em porta, no bairro onde fora abandonado. Ninguém sabia de nada. Uma mulher que estava a estender a roupa à janela e que já percebera ao que eu andava, disse-me que me podia ajudar, mas nunca dissesse quem lhe deu a informação. “Ali, no 23, rés-do-chão, vive a mãe desta criança. Mas tenha cuidado que o homem com quem vive é um malandro da pior espécie”. – cochichou-me com receio. Agradeci e lá fui até ao 23, sem me preocupar com mais nada. Bati à porta. Surge uma rapariga, desgrenhada, com ar assustado e quase esquelética. Olhou-me, pressentindo qual o objectivo da minha visita, agarra na criança e beijou-a com sofreguidão. Do fundo da casa surgiu um homem com um aspecto horrível. Acredite, que naquele momento fiquei aterrorizada. Obriga a rapariga a devolver-me a criança, fecha a porta com violência e no minuto seguinte ouvi dois tiros. Corri a chamar a Polícia. Ele tinha assassinado a mãe do bebé.

          Amigo Desconhecido, hoje fico por aqui, porque estou emocionada. Está a ver como o meu marido tinha razão?

          Até amanhã, Amigo Desconhecido.

(…) continua

JOSÉ EDUARDO TAVEIRA

Sobre José Eduardo Taveira

Nasci no Porto. Trabalhei em diversas empresas nacionais e multinacionais, exercendo cargos directivos. Actualmente estou liberto de compromissos profissionais, usufruindo a liberdade de viver como gosto e quero. Publiquei três livros intitulados: "Juntos para Sempre","Histórias de Pessoas que Decidi Divulgar" e "Viagem ao Princípio da Vida". Os dois primeiros em Portugal e o último no Brasil.
Esta entrada foi publicada em Opiniões, testemunhos. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s