querem assassinar o rei leopardo [3]: o crocodilo

Havia uma cerimónia no pântano. Ouvia-se música, uma música dolente. Celebrava-se o «dia dos mortos».

Diante da águia fixavam-na uns olhos frios. Era o crocodilo, mastigando algo entre os seus dentes muito brancos.

«Com que então», perguntou, «achas que eu me daria ao trabalho de colocar uma bomba no quarto do rei? Tens lata, realmente. Ou és estúpido. Vir dizer-me isso na cara…»

Os seus dentes bateram uns contra os outros. Largou um breve riso de desprezo. «Prefiro esperar pelo dia em que o leopardo tenha coragem para passear sozinho, sem guarda-costas nem amigos. Prefiro esperar pelo grande frente-a-frente. Eu e ele, a sós. Vai saber-me bem, tenho andado esfomeado. Desaparece, ou não respondo por mim…»

A águia voltava, pois, para o cimo do seu sublime penhasco, ainda com o riso do crocodilo a esfriar-lhe a alma, quando ouviu, ao longe, um “pang”. Conhecia aquele som. Inegavelmente: um tiro. Ainda mal se perguntara o que seria aquilo, quando sentiu uma dor na asa direita, soltaram-se-lhe penas, perdeu o controle do voo e mergulhou a pique: fora atingida.

[Se acaba de descobrir este post, descubra o 2 e o 3, neste mesmo blogue. Homenagem ao policial negro em forma de fábula: Blacksad. Gil Duarte é o autor de Nada Mais e o Ciúme, que pode encomendar on-line pelo sítio do livro]

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Opiniões, testemunhos com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s