O dia em que te encontrei

De onde vim, quadrireincidente em desilusões da alma, aninhava-me todos os dias entre lençois de algodão e chorava de um choro que me molhava o rosto da arrogância de ser orgulhosamente só.

A raiva dos dias, em que me quedava a olhar o mar, não permitia que o riso ou o desejo entrassem no meu quotidiano.

Sentia-me como uma planta que força o seu caminho por entre as pedras, estende os braços para alcançar, só e determinada.

No dia em que te encontrei, numa rua qualquer, desconhecido que chegaste à minha vida, foram os teus braços, os teus abraços nos meus braços, que fizeram de mim o que hoje sou, risodependente.

Ana Brilha

http://intermitenciasdaescrita.wordpress.com/

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

2 respostas a O dia em que te encontrei

  1. BRUNO REIS diz:

    A dor que a solidão provoca é maior do que permitir que o nosso coração vá sofrendo até encontrar por fim a felicidade!

    Gostar

  2. Pingback: O “intermitências da escrita” torna-se autor no Sítio do Livro « Intermitências da escrita

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s