Do livro “Histórias vividas em prosa”, de Marifelix Saldanha

– NÃO POSSO DIZER ADEUS –
As folhas desfalcadas pela sinuosidade da ventania voavam preguiçosamente, como as penas leves e brancas dos pássaros, que acidentalmente se enganchavam nos galhos e
dispersavam as coloridas penugens. Levemente uma folha seca roçou nas minhas pestanas e com delicadeza a devolvi à natureza.
Uma borboleta cor de bonina, deteve-se para me retirar da minha total insensibilidade às retratadas minúcias imprescindíveis, à beleza da vida.
Levantei o olhar a passos leves, como se devagar subisse os degraus de uma escada. Tentei de maneira amigável desculpar-me com as ternas oferendas que se nos dá o
ambiente versátil e surreal dos campos sortidos de velhas árvores.
Árvores, mães oculares de grandes histórias e de copas e troncos já curvados pelo desgaste dos anos.
Aos poucos, entreguei-me à quietude impregnada daquele lugar.
Dentro de mim havia uma demanda de cantigas similares, acontecidas em tempos de outrora. Sentia-as plenamente e percebia até mesmo a sua cor. Era um tom verde
e que inseria no meu apetite um gosto a limão. E fazia-me degustar uma limonada que cheirava a cravo envolvido no mel.
Um som tocava serenamente os meus ouvidos, e aquela música fazia-me bem à alma.
Porque sim, era-me devido ser presenteada com “Fallaste Corazón”, ao som da Brasilian Tropical Orchestra.
Senti-me leve, pura, nada tinha a oferecer. Senti-me nua, vazia, apenas restava a minha alma que soluçava desconsoladamente um choro convulsivo.
O meu espírito mergulhava nas águas mansas de um rio imaginário.
Rio em estado arquejante e febril, de tanto escutar e ocultar confissões queixosas e tristes de sonhos interrompidos, talvez pela presença marcante do destino.
Sobre o tronco de uma árvore, caída no chão, sentei-me, e cada parte do meu corpo repelia o azul sistêmico no ar, pois ele confundia-me com aquilo que é, ou deverá ser.
Eis-me, portanto, confusa, mais emotiva que racional.
Pensei: “Será pois, o momento certo?”
Não, não estou ainda preparada para me ir embora.
Por isso:
Ainda Não Posso Dizer ADEUS!

(Do livro “Histórias vividas em prosa”, de Marifelix Saldanha)

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s