A crítica social por meio de… «Retratos Dispersos»

Acha-se em mim profundamente arreigada a convicção de que a literatura, tal como a música ou a arte, deve servir uma função social. A toda a obra literária deverá subjazer um fim, um objectivo. E aí se insere a crítica social.

Na verdade, o texto literário constitui uma excelente forma de estudo da estrutura da sociedade, dos seus caracteres mais marcantes, podendo e devendo, então, contribuir para assinalar os seus defeitos e, decorrentemente, para propor soluções de mudança. Não se trata de apontar um dedo acusador a este ou àquele sujeito, mas sim de nomear vícios universais da sociedade do nosso tempo, e de que nós somos, também, parte constituinte.

Uma das mais eficazes e incisivas formas de efectuar-se essa crítica é, precisamente, o recurso aos tipos sociais, condensando, em uma só personagem, os múltiplos vícios de que enferma certa classe ou categoria social. Diversos autores da nossa literatura o fizeram. Citemos dois, e em épocas distintas: Gil Vicente e Eça de Queiroz. Como sabemos, ambos retrataram, com grandíssima fidelidade, a sociedade em que viviam, e a sua magistral crítica de costumes veio a afirmar-se de perenal validade.

Em tudo isto busquei inspiração para o meu modesto trabalho «Retratos Dispersos». De facto, cada um dos contos que compõem a obra é o retrato de uma personagem – personagem-tipo, bem entendido, representativa de diversas características comuns a muitos de nós. Tenta-se, de tal modo, efectuar uma espécie de «auto-retrato» social, crítico e abrangente. É certo que, na grande maioria das situações, o enredo propende para a evocação de épocas passadas, recuadas no tempo. Não obstante, isso apenas visa fazer revivescer certas marcas históricas, com uma nostalgia não exagerada. Tal característica em nada macula o intento fundamental do livro, pois que as situações descritas poderiam, no essencial e mutatis mutandis, desenrolar-se nos nossos dias.

De resto, e ressalvando novamente o facto plasmado na «Nota Prévia» desta obra (os últimos quatro contos foram produzidos em alturas diversas, pelo que lhes falta a unidade estilística patente no conjunto dos primeiros nove textos), a mesma acusa alguma influência literária de textos de Eça de Queiroz, Júlio Dinis e Camilo Castelo Branco, que foram, consabidamente, destacados contistas. E a opção pelo conto como género narrativo pareceu, no caso, adequada. Por meio de histórias breves, consegue-se transmitir a mensagem exacta que às mesmas inere, sem diluições narrativas. Não prejudicando o necessário pendor literário, o conto tem essa apreciável potencialidade: é mais directo e eficaz na expressão do pensamento do autor. Eis a razão que explica tal configuração da obra, que, assim, mais não é do que um álbum de… «retratos» sociais, «dispersos», que o leitor é convidado a folhear e a analisar criticamente.

Diogo Figueiredo P. D. Ferreira

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Novidades, lançamentos, Opiniões, testemunhos. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s